Estude sobre as especiarias do oriente Simões Filho, Bahia

Conheça a origem dos temperos. O autor, André Mafra, conta a história das especiarias. "Nosso povo é formado pela mescla de nações e com as facilidades em importar mercadorias, temos a nossa disposição muita variedade de alimentos e temperos", ele destaca.

Nutricionista
(75) 3224-9691
rua
Feira de Santana, Bahia
 
Margarida Mascarenhas Gois
(75) 3221-8327
av Dutra,Pres, 1863, Capuchinhos
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
Moreli Bar Restaurante Ltda
(75) 3625-3785
Av. Getulio Vargas, 2120
Feira de Santana, Bahia
 
J. M. Sant'anna Moreira - O Abafadinho
(75) 3225-8803
r João XXIII,Papa, 716, Lj, Jd Acácia
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
Sindicato de Hotéis Restaurante Bares e Similares de Feira de Santana
(75) 3223-7522
r Br Rio Branco, 1348, sl 102
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
GUST NATURRE-POINT DO ACARAJÉ LIGHT
(73) 3211-4788
RUA DA FRENTE 391 B. ANTIQUE
ITABUNA, Bahia
 
Restaurante Tábua de Carne
(75) 3622-3742
r São Domingos, 793 A An 1 Santa Mônica
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
Moreli Bar e Restaurante Ltda
(75) 3625-3785
av Getúlio Vargas, 2120, B, Ponto Central
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
Restaurante Tudo a Kilo
(75) 3221-4479
r Marechal Deodoro, 424
Feira de Santana, Bahia

Dados Divulgados por
GUST NATURRE POINT DO ACARAJÉ LIGHT
073 32114788
RUA DA FRENTE 391 ANTIQUE
ITABUNA, Bahia
 
Dados Divulgados por

Estude sobre as especiarias do oriente

As especiarias do oriente e o descobrimento do Brasil

(http://casadoyoga.com.br)

Atualmente nunca se comeu tanto de tudo. Vivendo em grandes metrópoles o ser humano é capaz de se deliciar com os requintes de grandes cozinhas internacionais. Pela manhã um desjejum com bolo inglês, no almoço uma pasta italiana e no jantar um combinado de legumes temperados com curry indiano.

Escolher entre as diversas opções de pratos e países é um verdadeiro dilema, as opções são muitas e os sabores tentadores.

Temos o hábito de cozinhar basicamente usando poucos temperos, em resumo alho, cebola e sal. Pouco a pouco caldos, especiarias e novos sabores invadem a mesa do brasileiro. O curioso é que fomos descobertos justamente por conta da batalha que se travou pelo comércio de especiarias durante o século XVI na Europa ocidental. Cada expedição daquele período consumia uma grande quantia em investimentos, meses de viagens extenuantes e a vida muitos e destemidos homens.

Não podemos abordar tal assunto sem antes fazer um breve relato do período histórico e a sua importância econômica para a época.

Um breve resumo histórico

Com a tomada de Constantinopla, atual Istambul, pelos turcos otomanos em maio de 1453 o comércio de especiarias na Europa sofreu um forte revés. As relações comerciais entre o ocidente e oriente foi extremamente dificultado, os únicos ainda a negociar com os turcos eram os Venezianos. Buscando uma alternativa, Portugal e Espanha através dos banqueiros de Genoveses e Florentinos, as expedições ultramarinas dos portugueses e posteriormente os espanhóis, franceses, ingleses e de outros que também se aventuraram.

Colombo durante muitos anos buscou apoio da França, Inglaterra e Portugal para financiar suas expedições, mas não obteve êxito. Finalmente em 1492, conseguiu na Espanha com o rei Fernando de Aragão e principalmente com a Rainha Isabel de Castela o apoio para realizar a primeira das quatro viagens dele pelo desconhecido Atlântico e assim ser o primeiro a descobrir o território que conhecemos como América em homenagem injusta a Américo Vespúcio.

Em 27 de maio de 1498, Vasco da Gama, bancado por um banqueiro florentino, chega à Índia pelo Atlântico contornando o continente Africano, cruza o oceano índico e assim traça a nova rota que levava a Europa ao reino dos sabores e riquezas. 

Sabendo desse fato, o rei de Portugal D. Manoel convoca Pedro Álvares Cabral para uma nova expedição. Em 9 de março de 1500, zarpam com mil e quinhentos homens de Lisboa dez naus que tinham como missão montar uma feitoria em Calicute, na Índia e obter assim, o monopólio do comércio da pimenta e da canela. Calicute na costa do Malabar, era um importante entreposto comercial que congregava judeus, gregos, hindus, árabes e cristãos, mas que na época seu comércio, para o ocidente estava monopolizado apenas nas mãos dos mercadores Venezianos.

Não se sabe ainda o real motivo, mas inesperadamente em 22 de abril de 1500, saindo da rota inicialmente proposta, o sul da atual Bahia recebe Cabral e seus homens. Oficialmente nossas terras foram descobertas e nossos habitantes batizados de índios.

Em 2 de maio, Cabral sai do Brasil e segue a sua jornada para leste em busca da Índia retorna de lá com três embarcações repletas de gengibre, noz moscada, pimenta, almíscar, açafrão, sândalo, âmbar, seda, porcelanas e pedras preciosas que renderam o dobro do investimento de todo o gasto com a expedição que acabou por descobrir a Terra de Vera Cruz.

Justamente as especiarias, motivo quase que direto do nosso descobrimento, são uma realidade distante do paladar do brasileiro. O interessante notar é que atualmente é fácil encontrar em qualquer bom supermercado ou feira livre uma grande quantidade de temperos, mas que ainda estão restritos a pequenos grupos que cultivam o hábito dos sabores.

Nosso povo é formado pela mescla de nações e com as facilidades em importar mercadorias, temos a nossa disposição muita variedade de alimentos e temperos. Busque variar e pesquisar mais sobre as especiarias. Crie! Brinque com sabores e cores dos alimentos! Além de enriquecer o sabor, os temperos enriquecem de saúde os nossos pratos e facilitam a digestão.

Lembre-se de que usar temperos não significa deixar a comida apimentada. A boa comida é a bem condimentada rica em nutrientes, colorida e principalmente saborosa.

Visite com mais atenção a seção de temperos dos supermercados e aproveite!

Artigo escrito por:
André Mafra -Instrutor e diretor da Uni-Yôga Brooklin em São Paulo
andré.mafra@uni-yoga.org.br
Bibliografia indicada: 
Bueno, Eduardo, A Viagem do descobrimento, coleção Terra Brasilis
Bueno, Eduardo, Náufragos, traficantes e degradados – coleção Terra Brasilis

Andre Mafra

André Mafra é editor do casadoyoga.com.br

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com