Dia Do Meio Ambiente Itajubá, Minas Gerais

Os efeitos sociais e ecológicos da globalização têm sido largamente debatidos pelos acadêmicos e líderes comunitários. A Gestão Ambiental visa ordenar as atividades humanas para que estas originem o menor impacto possível sobre o meio.Leia mais neste artigo.

Banco ABN Amro Real S/A
(80) 0770-2001
rdv BR-040, 773000, Km 773, Barreira do Triunfo
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Unibanco - União de Bancos Brasileiros S/A
(32) 3215-5841
r Halfeld, 788, Centro
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Banco Alfa de Investimento S/A
8005-53345
av Afonso Pena, 1996, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Banco Pottencial S/A
(80) 0704-4545
av Álvares Cabral, 1740, An 11, Lourdes
Belo Horizonte, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Ana Paula-Crédito Pessoal
(32) 3232-3957
av Independência, 2395 AP 502 São Mateus
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Credfranco Soluções Financeira
(31) 2532-2853
Av. Afonso Pena, 726, 9º andar, Centro
Belo Horizonte, Minas Gerais
 
Banco ABN Amro Real S/A
(80) 0770-2001
av Afonso Pena, 2497, Aparecida
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Capital Brasil Empréstimo Pessoal
(32) 3215-0897
av Br do Rio Branco, 2231 sl 14 Centro
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Casa do Militar
(32) 3215-3382
av Br Rio Branco, 2001 Sl 1707 Centro
Juiz de Fora, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Banco Santander Banespa S/A
(34) 3239-8800
pça Tubal Vilela, 55, Centro
Uberlandia, Minas Gerais

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Dia Do Meio Ambiente

 Em 1992, a Conferência do Rio elegeu a Agenda 21 como instrumento de construção do desenvolvimento sustentável, para conter a degradação ambiental e permitir a continuidade da vida no planeta. A Agenda 21 global apontou as condições da ordem mundial necessárias para a viabilização do desenvolvimento sustentável e estabeleceu os princípios para a construção das agendas 21 dos países, regiões, estados, cidades, de modo a que a adoção da sustentabilidade por todos os cidadãos do mundo pudesse mudar os rumos do crescimento econômico global ambientalmente predatório e socialmente excludente. A idéia que se consagrou foi "pensar globalmente e agir localmente".

No Brasil, desde 1981, a Lei da Política Nacional do Meio Ambiente, tendo, a dimensão ambiental, sido ainda mais fortalecida na Constituição de 1988, o que nos legitimou a sediar, em 1992, a citada Conferência, considerado o mais significativo evento diplomático do final do século XX.

Nos últimos anos, o país passou por um intenso processo de regulamentação e de institucionalização para o controle das atividades degradadoras, e de tentativa de internalização da proposta do desenvolvimento sustentável nos setores públicos e privados e no cotidiano dos cidadãos.

Este esforço de internalização, apesar dos resultados já colhidos pelas atitudes espontâneas de cada um dos setores, tem custado um pouco a fluir, dada à dificuldade natural de incorporação, pela sociedade, da inovação que representa construir agendas de compromisso para a sustentabilidade.

Os efeitos sociais e ecológicos da globalização têm sido largamente debatidos pelos acadêmicos e líderes comunitários. As análises feitas por eles nos mostram que a nova economia está gerando um sem-número de conseqüências danosas, todas elas ligadas entre si: o aumento da desigualdade e da exclusão social, o colapso da democracia, uma deterioração mais rápida e mais extensa do ambiente natural, e uma pobreza e numa alienação cada vez maiores.

A Gestão Ambiental visa ordenar as atividades humanas para que estas originem o menor impacto possível sobre o meio. Esta organização vai desde a escolha das melhores técnicas até o cumprimento da legislação e a alocação correta de recursos humanos e financeiros.

A utilização de agrotóxicos e prática de queimadas, por exemplo, deveriam ser rigorosamente proibidos, tendo em vista seus impactos nefastos sobre o meio ambiente. O primeiro, destruindo e poluindo o solo e subsolo e, o segundo sobre, contribuindo para o incremento do efeito estufa, e consequentemente, como as rápidas e severas mudanças climáticas.

Diante do cenário de degradação ambiental aliado com a desigualdade social que vivemos, precisamos refletir e agir , sobre o meio ambiente e a necessidade de buscarmos um novo modelo de desenvolvimento sustentável, para que o mundo utilize de maneira mais racional os recursos naturais e que também se busque uma melhor distribuição de renda, já que muitos dos problemas ambientais estão relacionados com a miséria.

Vininha F. Carvalho

Graduada em administração de empresas e economia, especializada em marketing turístico, com aptidão para produzir reportagens que envolvam questões na área ambiental ( incluindo ecoturismo) e relativas a animais, para veículos da mídia impressa e eletrônica. Atuante em entidades e projetos com enfoques social e ambiental.

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com