Cultive o Bom Humor Balneário Camboriú, Santa Catarina

Acho que não preciso convencer você da importância que o bom humor e o riso têm na vida da gente. Afinal, há sempre muitas reportagens sobre estudos científicos que comprovam que o riso diminui o estresse, estimula o sistema imunológico e protege contra doenças. Aprenda mais abaixo.

Cadastrare Marketing Digital
(48) 3259-7104
Rua Felipe Schmidt, 515
Florianópolis, Santa Catarina
 
D'az News.com - Publicidade, Comercio, Propaganda e Marketing Ltda
(48) 3225-4401
r Bento Gonçalves, 183, Sl 104, Centro
Florianópolis, Santa Catarina

Dados Divulgados por
REEUF Publicidade
(48) 9656-8110
Rua Açucena 304 - ap02
Palhoça, Santa Catarina
 
Vicss Sistema Automático de Geração de Renda
4999729398 Tim
Rua quatorze de agosto 1055
Casa, Santa Catarina
 
Vox Brazil Comunicação
(49) 3322-3258
Rua Condá - E, 821
Chapecó, Santa Catarina
 
divulge seu site agora
(47) 3429-2418
rua zeze moreira 193
joinville, Santa Catarina
 
Ar Publicidade e Propaganda Ltda Me
(48) 3240-3015
r Fúlvio Aducci, 280, Tr, Estreito
Florianópolis, Santa Catarina

Dados Divulgados por
Publimark Publicidade Ltda
(48) 3224-0026
r Jerônimo Coelho, 383, Sl 802, Centro
Florianópolis, Santa Catarina

Dados Divulgados por
Acerte Propaganda Ltda EPP
(48) 3028-4668
rdv SC-401, 600, Km 1, Saco Grande
Florianópolis, Santa Catarina

Dados Divulgados por
Floripa Publicidade e Propaganda Ltda.
(48) 3244-0666
r Gil Costa,Des, 360, Capoeiras
Florianópolis, Santa Catarina

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Cultive o Bom Humor

(Extraído do livro Qual é o Seu Lugar no Mundo? – Leila Navarro)

Acho que não preciso convencer você da importância que o bom humor e o riso têm na vida da gente. Afinal, há sempre muitas reportagens sobre estudos científicos que comprovam que o riso diminui o estresse, estimula o sistema imunológico, protege contra doenças (ou favorece a cura), acelera o coração, oxigena o corpo todo e até queima calorias! O riso provoca a liberação de endorfina, substância que produz a sensação física de prazer e bem-estar.

Quando foi a última vez que você teve uma ataque de riso, daqueles que tiram o fôlego, deixam o rosto vermelho e fazem até lacrimejar os olhos? Fale a verdade: isso não é bom demais? Não são deliciosos aqueles dias em que nós, por um motivo qualquer estamos bem-humorados como se estivéssemos visto um passarinho verde?

A vibração do riso é uma massagem para o corpo. Costumo ensinar as pessoas a sentar-se bem na beirada da cadeira, sentindo aqueles ossinhos que temos no bumbum, e segurar a barriga na faixa abaixo do umbigo. Nessas horas é até bom ter uns “pneuzinhos” ali, fica mais fácil pegar. Então, digo a elas pra dar uma risada bem alta, e chacoalhar bem a barriga. Esse exercício é ótimo,massageia todos os órgãos internos, tudo que está ali nas “partes baixas”.

Mesmo sendo o riso e o bom-humor tão prazerosos, estão pouco presentes na vida de muita gente. Dá pra acreditar que há pessoas que reprimem suas manifestações de alegria, suas gargalhadas, porque têm vergonha disso? São aquelas que tapam a boca com a mão, e em vez de um sonoro “há-há-há”, soltam um tímido “hi-hi-hi”, e olhe lá. É claro que há situações e lugares que não combinam com brincadeiras e risadas. Mas, se a ocasião permite, não vejo motivo para reprimir o riso e a espontaneidade de nossa criança interior.

Chamo de criança interior, aquela parte de nós que e autêntica, que expressa seus sentimentos sem pudor, que pula de alegria, que grita de prazer, que pede colo, que chora quando está triste. É assim que somos quando crianças. À medida que crescemos, porém, vamos incorporando modelos de comportamento, regras, condicionamentos e traumas. Passamos a reprimir nossa criança interior porque não achamos adequados certos modos, atitudes ou reações. Para aparentar seriedade, maturidade e autocontrole, restringimos a expressão de nossos sentimentos mais verdadeiros. Não nos permitimos ter espontaneidade para não parecer infantis, levianos, ridículos.

Diga então: o que há de errado no fato de alguém se desmanchar numa risada gostosa quando há um bom motivo para isso? Será que existe algo de impróprio em rir, brincar, fazer os outros rirem também? Solte sua criança.Se tiver vontade de rir, ria. Não se envergonhe de ser mais caloroso, mais afetuoso, mais brincalhão, mais risonho. Você não vai parecer o bobo da corte por causa disso. A expressão dos sentimentos de alegria, aliás, é contagiante e melhora também o ambiente a nossa volta. Uma pessoa alegre e risonha é capaz de mudar o astral de uma dúzia de carrancudos: fica todo mundo “endorfinado”! O riso é sinal de inteligência intrapessoal, ou seja, inteligência para lidar consigo mesmo.

É bem verdade que não adianta dizer “sorria” a uma pessoa que não sente motivação para rir. Infelizmente, há quem tenha desaprendido a sorrir porque vê muitos problemas, dificuldades e motivos para queixar-se da vida. São pessoas que vêem a si próprias como vítimas das situações e acham ter perdido o poder de ser feliz.

Para uma pessoa que decide reconhecer seus talentos, abraçar sua missão e realizar seus sonhos, incorporando todas as atitudes que conduzem a isso, a maneira de enxergar a vida muda completamente. É então que a frase “a felicidade não é um destino a ser alcançado, e sim uma maneira de viajar” adquire sentido. Quando se está empenhado na realização de um sonho, cada pequena conquista é motivo de muita comemoração. Começa-se a valorizar as pequenas coisas da vida e ver o lado bom de tudo o que acontece, o que dá motivos de sobra para viver com bom humor.

O bom humor facilita o encontro de soluções para nossos problemas e a superação dos desafios. A história que vou contar agora mostra bem isso. Havia uma família que sonhou construir uma casa para morar. Como costuma acontecer com quem entra nessa empreitada, o dinheiro acabou antes que terminasse a construção da casa, e o jeito foi mudar-se assim mesmo. Não havia pintura, armários embutidos, lustres, pisos, um monte de coisas. Muitos poderiam achar inaceitável habitar uma casa inacabada, mas a família foi, toda feliz, morar debaixo do próprio teto, escapando do aluguel, e ainda fazia piada da situação.

Os improvisos feitos eram, às vezes, pretextos para muitas risadas. E olhe que os primeiros meses foram difíceis, pois havia muitas dívidas a pagar – mas, a cada carnê de prestação que conseguia quitar, a família fazia uma grande comemoração. Pagas as dívidas, começou a investir no acabamento da residência, e cada pequena aquisição era motivo de festa. Durante muito tempo, o lugar reservado a um canteiro de plantas não passava de um quadrado de terra batida e pedras. Mas, no meio do quadrado, sempre havia uma tabuleta de jardim que dizia: “Aqui vive gente feliz”.

Fonte: www.leilanavarro.com.br

Clique aqui para ler este artigo na Sua Mente