Criatividade e inteligência emocional Almirante Tamandaré, Paraná

O homem nômade levou milênios domesticando plantas e animais. Passaram-se menos de dois séculos entre a descoberta da turbina a vapor até o domínio da energia nuclear. Leia mais no artigo abaixo.

Bloon Propaganda
(41) 3039-8637
r Acyr Guimarães, 436 sl 705 S Cândida
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Linus Propaganda
(41) 3323-6927
r Des Motta, 1260 ap 121
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Inventiva Propaganda
(41) 3339-8856
r Pe Anchieta, 2454 sl 25a Bigorrilho
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
3.3 Propaganda
(41) 3334-6853
r Alm Gonçalves, 2350 ap 23
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Polis Propaganda
(41) 3079-1713
av Mal Deodoro, 630 sl 506
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Bob Propaganda e Marketing
(41) 3026-6699
r Lourenço Gbur, 99 Campina do Siqueira
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
MDA Propaganda
(41) 3076-3153
r Pres Epitácio Pessoa, 642 c Tarumã
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Ection Propaganda
(41) 3222-7843
r José Loureiro, 12 s 303 Centro
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Arsenal
(41) 3022-5767
r Prof Waldir Jesus, 865 cj 1001 an 10 Capão Raso
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
R.R.B Propaganda
(41) 3353-1542
r Dr Manoel Pedro, 430 ap 403 Cabral -
Curitiba, Paraná

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Criatividade e inteligência emocional

O homem nômade levou milênios domesticando plantas e animais. Passaram-se menos de dois séculos entre a descoberta da turbina a vapor até o domínio da energia nuclear. A ciência levou menos de 10 décadas entre a descoberta de telegrafo de fio de cobre aos cabos de fibras óticas da rede mundial de comunicação (Internet).

Estes exemplos, marcados por transformações tecnológicas, exemplificam as três primeiras revoluções da civilização: Agricultura, Industrialização e Comunicação. Na primeira revolução, o poder é representado pela possessão da terra; na segunda o poder se leva pela possessão das plantas industriais e na terceira pelo domínio da informação e do conhecimento.

É provável que a invenção de um novo produto agrícola, máquina industrial ou computador pouco aumente as fantásticas possibilidades do poder transformador do homem do III milênio. Por fim, o volume de informação disponível e manipulável pela mente humana através do software existente e em aperfeiçoamento já é suficientemente exagerado para entreter a qualquer mente curiosa.

Seguindo as tendências naturais observadas nas três primeiras revoluções, se pode afirmar que as tecnologias e o estilo civilizado sofrerão transformações fantásticas em intervalos bem menores que nas décadas anteriores, a partir do começo da 4ª revolução.
Na primeira revolução o poder do homem se media pela extensão de terras e pelo número de homens que ele podia comandar. Na segunda revolução, o poder se resumia ao número e a eficiência das máquinas que se podia adquirir. Já na terceira revolução seu poder se caracteriza pelo volume e velocidade de informação e de conhecimento que pode dominar e manipular em suas compactas máquinas que imitam e ampliam seu próprio cérebro.

É provável que a quarta revolução se caracterize por algo que o homem poderá desenvolver e guardar no interior de sua mente: a criatividade e a inteligência emocional que estão disputando como as ferramentas capazes de fazer grande diferença no poder transformador do homem do III milênio.

Os últimos cientistas agraciados com o prêmio Nobel se caracterizam pela capacidade de criar alianças através de redes de especialistas. A acumulação e a combinação de conhecimento com criatividade espantosa é o que levou a descobertas emocionantes destes últimos anos.

Acabou o tempo dos gênios isolados, escondidos em laboratórios e bibliotecas. A grande diferença nas descobertas atuais é que são feitas por pessoas capazes de fortalecer as redes de relações, mantê-las produtivas, animadas e solidárias diante de um propósito comum.
Proporcionar sinergias e compartilhar conhecimento não é uma tarefa fácil, pois exige muita capacidade de compreensão do ser humano, por dentro de suas necessidades mais delicadas e de suas emoções. Entender e compreender, ter empatia e se comunicar de forma efetiva com o outro pressupõe uma profunda capacidade de reconhecimento e de consideração às emoções. Além de reconhecer e considerar emoções, este homem transformador terá que saber trabalhar por si próprio e pelo outro mundo, subjetivo, onde se formam as emoções.

A partir destas novas habilidades está tendo início a 4ª revolução e o começo de uma nova era definitivamente contribuirá para felicidade humana. O que estamos certos é que no campo objetivo nossa civilização já tem suficiente domínio tecnológico para produzir alimentos, meios e vários equipamentos para suprir a necessidade de alimentação saúde, moradia, educação e convivência humana.

O que perpetua a miséria, a dor, a tristeza, a exploração, a guerra e os conflitos entre homens, mulheres, jovens e crianças, povos e nações é a incapacidade do ser humano para ser feliz. Um homem feliz é incapaz de maltratar uma borboleta.

Você já pensou nesta possibilidade?

Tradutora: Daniela Bitner – Contato: dani_bitner@hotmail.com

Clique aqui para ler este artigo na Sua Mente