Compreenda a depressão Infantil Balneário Camboriú, Santa Catarina

As mudanças súbitas de comportamento da criança podem indicar sinais de depressão. O médico Alessandro Loiola descreve quais são os sintomas do distúrbio depressivo. Ele recomenda que os pais observem cuidadosamente o desenvolvimento emocional delas e descreve quais são as situações de risco que podem motivar a doença.

Daniela Longhi de Castro
(47) 3366-0334
Avenida Alvin Bauer 810 - 1° Andar
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Nicolau Heuko Filho
3224-9755
Av Osmar Cunha 217
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Léo Meyer Coutinho
(48) 3223-1317
Rua José Boiteux 34 - Casa
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina Legal

Dados Divulgados por
Jose Carlos Silveira de Mello
324-6128
Rua Joao Sandim 2
Sao Jose, Santa Catarina
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Maria Beatriz Cacese Shiozawa
3224-1888
Rua Dom Jaime Camara 77 - 601
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Glauber Mathias
(47) 3349-3892
Rua Dr. Reinaldo Schmithausen 1178 (sl 11)
Itajai, Santa Catarina
Especialidade
Cirurgia Cranio-Maxilo-Facial

Dados Divulgados por
Maria Emilia Coelho
3221-7500
Rua Menino Deus 376
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Jucilio de Albuquerque Fernandes
3223-1122
Rua Luiz Delfino 86
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Carlos Renato da Silva Fonseca
3248-8778
Rua Arnoldo Candido Raulino 183
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Jose Maria Soares Filho
3223-3073
Rua Alvaro de Carvalho 267 - 301
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Compreenda a depressão Infantil

Quem já enfrentou uma crise de Depressão sabe que este é umdesafio respeitável, algo como bater de frente com um maciço elefante detristezas e frustrações. Agora feche os olhos por um instante e tente imaginaralguém com um décimo da sua bagagem de vida tendo que enfrentar o mesmoelefante... No mínimo, uma covardia; no máximo, uma carnificina. É exatamenteeste tipo de ameaça que a Depressão Infantil representa.

Estima-se que a Depressão Infantil afete uma em cada 20crianças abaixo dos 10 anos de idade. O problema maior (e o grande risco) estáno fato de muitas de suas manifestações serem absolutamente diferentes daquelasobservadas em pessoas adultas. Já presenciei casos de crianças rotuladas comodifíceis e mal-educadas, quando, na verdade, estavam sofrendo de crisesdepressivas severas. E ninguém parecia estar entendendo coisa alguma.

As crianças não possuem vocabulário suficiente paraexpressar seus sentimentos. Em geral, fazem isso melhor através de atitudes. Equem tem paciência hoje em dia para prestar atenção em atitudes que perturbam?Quem nunca criou um rótulo instantâneo e descartável para um filho ou sobrinhode comportamento irritante? Infelizmente, em alguns casos, a crise de pirraçaou aquela agitação toda eram manifestações de um quadro depressivo. E vocêcomeu mosca.

Por exemplo, uma criança com menos de 6 anos de idade que setorna desinteressada, ansiosa, não quer ir para a escola, se queixafreqüentemente de cansaço, dor de cabeça ou dores na barriga associadas a medosirracionais, pode estar sofrendo de Depressão.

A Depressão Infantil pode afetar o rendimento escolar, odesenvolvimento emocional normal e a estabilidade de toda a família, resultandoem uma maior incidência de violência doméstica e abuso de drogas. Semtratamento adequado, 40% das crianças afetadas apresentarão uma crise grave deDepressão nos 2 anos seguintes, metade delas tentará o suicídio e 7% terãoêxito.

Ainda não se sabe exatamente a causa da Depressão Infantil.Fala-se muito em fatores genéticos, orgânicos e ambientais. Sinceramente, naimensa maioria dos casos que atendo, a criança está simplesmente refletindo afalta de atenção, carinho e estrutura familiar à sua volta.

Se você acordou para o problema e quer evitar que aDepressão ameace o pequeno tesouro que está sob sua responsabilidade, guardeestas Regras de Ouro em seu coração:

- Redobre sua atenção quando a criança estiver atravessandosituações de risco: mudanças, separações dos pais, morte na família, chegada deum novo irmãozinho, etc.

- Se a criança apresentou uma mudança súbita decomportamento (agressividade, irritação, agitação ou desinteresse), alteraçõesno apetite (tem dificuldade para ganhar peso) ou no padrão de sono (sofre depesadelos e terrores noturnos), baixa auto-estima (vive dizendo "todo mundo meodeia") ou dificuldade de concentração (p.ex.: queda no rendimento escolar),leve-a para ser avaliada por um profissional de saúde capacitado. Quanto maiscedo a Depressão for diagnosticada, mais fácil e bem sucedido será o tratamento.

- Uma criança sadia, que cresce à sombra de uma orientaçãoafetuosa e honesta, dificilmente desenvolverá um distúrbio depressivo. Porisso, demonstre sempre seu amor na mesma proporção em que cobra disciplina.Esse, talvez, seja o grande segredo de tudo.

---

© Dr. Alessandro Loiola
http://www.dralessandroloiola.blogspot.com/

Dr. Alessandro Loiola é médico, palestrante e escritor,autor de PARAALÉM DA JUVENTUDE – GUIA PARA UMA MATURIDADE SAUDÁVEL (Ed. Leitura, 496pág.) e VIDAE SAÚDE DA CRIANÇA (Ed. Natureza, 430 pág.). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte,Minas Gerais.

Clique aqui para ler este artigo na WebArtigos.com