Causas da morte súbta Balneário Camboriú, Santa Catarina

O artigo examina as doenças que provocam morte súbta. O autor afirma que, a maioria dos óbitos estão relacionados à doenças cardíacas e ao estresse. Ele também aborda os cuidados preventivos de programas específicos para homens e mulheres.

Jose Luiz Sansao
(47) 3348-5593
Rua Pedro Ferreira 155 - Sala 1706 17 Andar
Itajai, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Hailton Boing Junior
(47) 3355-1904
Rua Joao Bauer 380
Brusque, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Oscar Zomer Filho
3222-8898
Rua Madalena Barbi 67
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Carlos Garcia
3222-1477
Av Osmar Cunha 486
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Wolney Carlos Loeff
(47) 3351-1013
Rua Pastor Sandrewski 148 - Sl16
Brusque, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Wolney Carlos Loeff
(47) 3351-1013
Rua Pastor Sandrewski 148 - Sl16
Brusque, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Marcio Moura Bridon
355-2827
Rua 1000 - 281 Loteamento Furbringer
Brusque, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Fabio Coelho
(48) 3438-2964
Rua Cel. Pedro Benedet Nº505 sala 703
Criciuma, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Hailton Boing Junior
(47) 3355-1904
Rua Joao Bauer 380
Brusque, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Silvia Rozauria Froes Toniazzo
(47) 3521-2448
Rua Humaita 19 - Sala 205
Rio Do Sul, Santa Catarina
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Causas da morte súbta

Resumo

A morte súbita é a que ocorre sem ser esperada, tanto empessoas doentes como sadias. A morte se dá durante a primeira hora, entre oinício dos sintomas até ser constatado o óbito. Se a pessoa é encontrada mortadentro das primeiras 24 horas depois da última vez em que foi vista com vida,isto também é considerado como sendo morte súbita.Na maioria das vezes, aMorte Súbita é de origem cardíaca As doenças circulatórias são asprincipais causas de morte nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, inclusiveno Brasil. O pico de mortalidade por doença cardiovascular no Brasil ocorreu nofinal da década de 1970. De 1979 até os dias atuais, a incidência demortalidade vem demonstrando queda progressiva, provável conseqüência das açõesde controle de fatores de risco como a hipertensão arterial. Apesar disso, adoença cardiovascular representou em 1995, 30% do total de óbitos. Nos EstadosUnidos os dados são bem impactantes também - 460 mil casos de Morte Súbitapor ano, de acordo com o Centro de Controle de Doenças Cardíacas dos EUA. (1)Observamos que patologiascomo Dislipedemias, HAS, DM, DSTs, câncer de próstata, câncer de colo de úteroe câncer de mama representam a principal causa de morbi- mortalidade entreestes profissionais, além de ser o principal motivo do desgaste emocional,comprometendo totalmente sua saúde profissional e pessoal. .A conclusão é que aavaliação de enfermagem associada àumaintervenção em nível primário profilático minimiza a dimensão das problemáticascitadas acimaEste é um estudodescritivo, exploratório, com método quantitativo, com delineamento nãoexperimental. Uma medidaquantitativa pode ser classificada de acordo com seu nível de mensuração.Conforme Polit , F.Denise, et al, existem 4 classes ou níveis principais de mensuração,normal,ordinal ,intervalo e proporção.(14) Os dados foram mensurados através de entrevista de enfermagem,questionários (Apêndice C), aferição de PA, IMC, mensuração de glicemia capilare colesterol por testes rápidos.Foram aplicadas medidas antropométricaspara avaliação de Índice de Massa Corpórea, testes rápido de glicemia ecolesterol, aferição de pressão arterial e um formulário contendo 12 questõesestruturadas identificando a amostra quanto ao sexo, idade, estado civil,filhos, escolaridade, dados vitais, padrão de sono, estresse em relação àprofissão, alimentação, vícios, eliminações urinária e intestinal,comportamento sexual, antecedentes familiares, antecedentes pessoais.. Aanálise dos dados foi feito através do instrumento de Coleta de Dados, comapresentação de tabelas e gráficos, conforme conhecimento adquirido, baseandona literatura e trabalhos científicos. Após a abordagem preventiva e aavaliação de enfermagem, o termo de consentimento livre e esclarecido (ApêndiceC) foi assinado pelo próprio profissional, conforme a Resolução 196/96 doMinistério da Saúde, para pesquisas que envolvem seres humanos. A pesquisapoderia ser interrompida em qualquer fase quando verbalizada a vontade de nãocontinuar a entrevista ou consulta de enfermagem pelo pesquisado, sem nenhumtipo de prejuízo ao mesmo. A população é composta por 250 profissionais entretelefonistas, taxistas e operadoras de rádio com idade igual ou superior a 18anos. Foram excluídos da amostra pessoas que não faziam parte do quadro defuncionários associados ou autônomos.

Introdução

1.1 – Tema de estudo

A morte súbita é a que ocorre sem ser esperada, tanto empessoas doentes como sadias. A morte se dá durante a primeira hora, entre oinício dos sintomas até ser constatado o óbito. Se a pessoa é encontrada mortadentro das primeiras 24 horas depois da última vez em que foi vista com vida,isto também é considerado como sendo morte súbita. Na maioria das vezes, aMorte Súbita é de origem cardíaca(1)

1.2 Justificativa

As doenças circulatórias são as principais causas de mortenos países desenvolvidos e em desenvolvimento, inclusive no Brasil. O pico demortalidade por doença cardiovascular no Brasil ocorreu no final da década de1970.

De 1979 até os dias atuais, a incidência de mortalidade vemdemonstrando queda progressiva, provável conseqüência das ações de controle defatores de risco como a hipertensão arterial. Apesar disso, a doençacardiovascular representou em 1995, 30% do total de óbitos. Nos Estados Unidosos dados são bem impactantes também - 460 mil casos de Morte Súbita porano, de acordo com o Centro de Controle de Doenças Cardíacas dos EUA. (1)

 

1.3 – Problema/Hipótese

Observo que patologias comoDislipedemias, Hipertensão Arterial Sistêmica Diabetes Mellitus, Doençassexualmente transmissíveis, Câncer de Próstata, Câncer de Colo de Útero eCâncer de Mama representam a principal causa de morbi- mortalidade entre estesprofissionais, além de ser o principal motivo do desgaste emocional,comprometendo totalmente sua saúde profissional e pessoal.

A hipótese é que a avaliação de enfermagem associada àuma intervenção em nível primário profiláticominimiza a dimensão das problemáticas citadas acima.

Esta campanha visou organizar a assistência profilática aoprofissional envolvendo os três níveis de assistência: primária, secundária eterciária. Reduzir a morbidade (número de consultas de urgência e internações)e a mortalidade.

1.4-Revisão Bibliográfica

1.4.1 -Pressão Arterial

Pressão Arterial (PA) é a força exercida pelo sangue contraa parede dos vasos sanguíneos. Corresponde à entrada de sangue nas artériasapós a contração ventricular, promovendo a distensão de suas paredes e elevandoa sua pressão (pressão sistólica).(2)

Após o fechamento da valva aórtica, a pressão diminuilentamente durante toda a diástole (pressão diastólica).(2)

A Hipertensão arterial sistólica ocorre quando a pressãomensurada várias vezes é igual ou maior que 140/90.

A H.A.S é, portanto, definida como uma pressão arterialsistólica maior ou igual a 140mmHg e uma pressão diastólica maior ou igual a 90mmHg, em indivíduos que não estão fazendo uso de medicação anti-hipertensiva."feito agora"

Os sinais e Sintomas da H.A.S são: sensação de mal-estar,ansiedade e agitação,cefaléia severa, tontura, borramento da visão, dorprecordial, tosse e falta de ar.

1.4.2- DiabetesMellitus

O Diabetes Mellitus é uma síndrome de etiologia múltipladecorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade de insulina exerceradequadamente seus efeitos. Caracteriza-se por hiperglicemia crônica comdistúrbios do metabolismo dos carboidratos, lipídeos e proteínas.

Os sinais e sintomas da DM são: poliúria ,nictúria,polidpisia, boca seca,polifagia,emagrecimento rápido,fraqueza,astenia,letargia,prurido vulvar ou balanospostite,diminuição brusca de acuidadevisual,achados de hiperglicemia ou glicosúria em exames de rotina.(3)

As conseqüências doDM, em longo prazo, incluem disfunção e falência de vários órgãos,especialmente nefropatia, retinopatia, neuropatia, cardiopatia , complicaçõesnos vasos sanguíneos, úlceras nos pés.(3)

A DM classifica-se como DM tipo 1, DM tipo2, DM gestacional,DM por ação de fármacos .(3)

1.4.3- Colesterol

O colesterol é um membro da família dos lipídios esteróidese, na sua forma pura, é um sólidocristalino, branco, insípido e inodoro. Apesar da má fama, o colesterol é um composto essencial para a vida, estando presente nos tecidosde todos os animais.(4)

Além de fazer parte da estrutura das membranas celulares, étambém um reagente de partida para a biossíntese de vários hormônios (cortisol,aldosterona, testosterona, progesterona, estradiol), dos sais biliares e davitamina D. É obtido por meio de síntese celular (colesterol endógeno -70%) eda dieta (colesterol exógeno- 30%). Exceto em pessoas com alterações genéticasdo metabolismo do colesterol, o excesso dele no sangue resulta dos péssimos hábitosalimentares que possuímos (que são adquiridos desde a infância) e que nos levama grande ingestão de colesterol e gorduras saturadas (geralmente de origemanimal).(4)

O colesterol endógeno é sintetizado pelo fígado, em umprocesso regulado por um sistema compensatório: quanto maior for a ingestão decolesterol vindo dos alimentos, menor é a quantidade sintetizada pelo fígado.(4)

O LDLs é lipoproteínas de baixa densidade, quando presentesem quantidades excessivas, as LDLs depositam o colesterol no interior e aoredor das fibras musculares lisas das artérias, formando as placas de gorduras(placas ateroscleróticas) que aumentam o risco de doença arterial coronária.Por esse motivo, o colesterol contido nas LDLs, denominados colesterol da LDL,é conhecido como o "mau colesterol". A ingestão de uma dieta rica em gordurasaumenta a produção de VLDLs, que eleva o nível de LDL e aumenta a formação dasplacas ateroscleróticas. Uma vez que as HDLs impedem o acúmulo de colesterol nosangue, em nível alto de HDL está associado ao risco reduzido de doençaarterial coronariana. Por essa razão, o colesterol da HDL é conhecido como o "obom colesterol"(10).

Os níveis desejáveis de colesterol no sangue, em adultos,são: colesterol total abaixo de 200mg/dL, LDL abaixo de 100mg/dL e HDL acima de40mg/dL.

A proporção de colesterol total para o colesterol da HDLprediz o risco de desenvolver doença arterial coronariana. Uma pessoa com umcolesterol total de 180mg/dL e HDL de 60mg/dL tem um índice de risco igual a 3.Índices acima de 4 são considerados indesejáveis;quanto mais alto esse índice,maior o risco de apresentar a doença arterial coronariana.(10)

1.4.4- DSTs

São doenças sexualmente transmissíveis, como HIV, CancroMole, Hepatites, etc.(5)

DST são doenças cuja via de contágio é o ato sexual.Mudanças culturais ocorridas neste século, foram marcantes no padrão decomportamento sexual, na qual geraram fatores de predominantes paradisseminação das DST, se tornando um grande problema de saúde pública.

O tratamento para estas doenças é bastante amplo, porém, éde fundamental importância que o indivíduo procure ajuda médica e sigacorretamente o tratamento proposto.Nos últimos 20 anos surgiu a AIDS, doença deextrema gravidade, com um tratamento restrito. Hoje, com a descoberta de novosmedicamentos, tem-se conseguido um bom controle da evolução da doença commelhoria da qualidade de vida dos pacientes.

O uso de preservativos reduzmuito o risco, não só de contrair doenças sexualmente transmissíveis,como também de adquirir o vírus HIV, responsável pela AIDS.(11)

1.4.5- Saúde do Homem

Os ideais de masculinidade podem prejudicar a saúde dohomem. É o que afirma um ensaio publicado recentemente na revista Ciência e Saúde Coletiva, intituladoSexualidade Masculina e Saúde do Homem.(6)

O texto, escrito pelo pesquisador do Instituto FernandesFigueira (IFF-Fiocruz) Romeu Gomes, mostra que a sexualidade masculina, quandonão é devidamente abordada, pode comprometer a saúde do homem, revelandodificuldades no que se refere à promoção de medidas preventivas. É o queacontece, por exemplo, na prevenção do câncer de próstata, cujo exame maiscomum de detecção da doença, o toque retal, se transformou num tabu para umagrande quantidade de homens.(6)

De acordo com Gomes, a temática já é discutida há algunsanos pelas ciências sociais e tem a ver com a construção da identidademasculina: "Na construção do que é ser homem pode estar embutido, de formacontraditória, justamente o não cuidar de si, porque ser homem é ser alguém queé poderoso, imbatível, então isso faz com que muitos não busquemcuidados", afirma.(6)

No Brasil, o câncer de próstata é a segunda maior causa demortes por câncer entre a população masculina, perdendo apenas para o câncer depele não-melanoma. (6)

A detecção precoce da doença é fundamental para que aumentemas possibilidades de cura e, entre as medidas preventivas, o toque retal aindaé a mais utilizada no País, já que o exame permite encontrar nódulos pequenos eavaliar a extensão local da doença.(6)

1.4.6- Saúde da Mulher

A saúde da Mulher tem como primeiro objetivo indicar osrecursos mínimos necessários, mas abrangente, as saúde daquelas que, além deser a maioria da população brasileira, cuidam, monitoram e acompanham a saúdede outros elementos da família, vizinhança e comunidade.(7)

Em 1984, o MS elaborou o Programa de Assistência Integral àsaúde da Mulher (PAISM), que marcou um novo tempo e uma forma de eleição deprioridades assistenciais à população feminina no Brasil e foi integrado aosprincípios e a diretrizes propostos pelo SUS, como Universalidade,Integralidade, Descentralização, Hierarquização, Regionalização etc.Incorporam-se ainda ações educativas, preventivas, de diagnóstico, tratamento erecuperação, que englobam todo o ciclo de vida da mulher: ginecologia,pré-natal, parto, puerpério, climatério, planejamento familiar, DST, câncer decolo de útero e de mama e violência sexual.(7)

1.4.7- Vacina DuplaAdulto (dT)

Vacina dT é a vacina dupla adulta, imuniza contra Difteria eTétano, contém menor quantidade de toxóide diftérico, sendo aplicada a partirdos setes anos. Depois de tomada as três doses obrigatórias, deve-se tomar oreforço a cada dez anos.(9)

Os efeitos adversos mais comuns são: dor, vermelhidão eendurecimento local, além de febre. Esta contra indicado quando houver qualqueração anafilática, muito rara após a aplicação de dose anterior.(9)

1.4.7.1- Vacina duplaViral

Imuniza com vírus atenuado contra sarampo e rubéola, estavacina é contra indicada em gestantes e em mulheres que pretendam engravidarnos próximos três meses após aplicação da vacina dupla viral, pois podeacarretar Abortos, e Má Formação do Feto.(9)

1.4.7.2- VacinaHepatite B

A vacina é indicada para prevenir a hepatite B, sendoadministrada nos menores de um ano de idade, a partir do nascimento, sepossível, nas primeiras doze horas após o parto; na faixa etária de um a 14anos de idade, em áreas de alta endemicidade, considerando o risco detransmissão desde baixa idade; nos doadores de sangue para mantê-los em talcondição.

Em grupos de risco como: usuários de hemodiálise,politransfundidos; hemofílicos; talassêmicos; profissionais da saúde; populaçãoindígenas;comunicantes domiciliares de portadores do vírus da hepatite B;pessoas portadoras do HIV (sintomáticas e assintomáticas);pessoal da forçasarmadas e reclusos (presídios, hospitais psiquiátricos, instituições demenores, etc.);homossexuais, profissionais do sexo.

A gravidez não contra-indica a vacinação, uma vez que oantígeno da vacina contra hepatite B é constituído de partículas recombinadasdo DNA e a vacina é preparada por médoto de engenharia genética, não sendo,portanto, infectante.

No caso de recém-nascido, cuja mãe tem sorologia positivapara HbsAg, a administração da vacina nas primeiras 12 horas é fundamental paraevitar a transmissão vertical;30 dias depois administrar a segunda dose;Nestasituação, quando houver disponibilidade, administrar, simultaneamente, aimunoglobulina anti-hepatite B.(12)

1.4.8- DoençasPsicossomáticas

As doenças psicossomáticas surgem como conseqüência deprocessos psicológicos e mentais do indivíduo desajustados das funçõessomáticas e viscerais e vice-versa. Caracterizam-se as possibilidades dedistúrbios de função e de lesão nos órgãos do corpo, devido ao mau uso e aoefeito degenerativo, e descontroles dos processos mentais. Diferencia-se nesteponto das doenças mentais, em que o mau desempenho não é opcional.
Distúrbios emocionaisdesempenham papel importante, precipitando início, recorrência ou agravamentode sintomas, distinguindo das doenças puramente orgânicas. Porém, elas podem setransformar em doenças crônicas ou ter com um curso fásico. Tendem aassociar-se com outros distúrbios psicossomáticos. Isso pode ocorrer numafamília, em diferentes períodos da vida de um paciente ou em certos ambientesde trabalho e até de lazer. Mostram grandes diferenças de incidência nos doissexos. Assim, asma é duas vezes mais freqüente nos meninos do que nas meninas,antes da puberdade, depois, é menos comum nos homens do que nas mulheres. Aúlcera do duodeno manifesta-se mais em homens, e a doença de Basedow, mais emmulheres.(13)

1.4.9- O CONCEITO DEESTRESSE

A palavra estresse quer dizer "pressão","tensão" ou "insistência", portanto estar estressado querdizer "estar sob pressão" ou "estar sob a ação de estímuloinsistente". É importante não confundir estado fásico de estresse comestado de alarme de Cannon, pois há alguns critérios estabelecidos para que sepossa assumir que um indivíduo está estressado e não simplesmente com alertatemporária. Chama-se de estressor qualquer estímulo capaz de provocar oaparecimento de um conjunto de respostas orgânicas, mentais, psicológicas e/oucomportamentais relacionadas com mudanças fisiológicas padrões estereotipadas,que acabam resultando em hiperfunção da glândula supra-renal e do sistemanervoso autônomo simpático. Essas respostas em princípio têm como objetivoadaptar o indivíduo à nova situação, gerada pelo estímulo estressor, e oconjunto delas, assumindo um tempo considerável, é chamado de estresse. Oestado de estresse está então relacionado com a resposta de adaptação.
O estresse é essencialmente um grau de desgaste no corpo e da mente, que podeatingir níveis degenerativos. Impressões de estar nervoso, agitado, neurastênicoou debilitado podem ser percepções de aspectos subjetivos de estresse. Contudo,estresse não implica necessariamente uma alteração mórbida: a vida normaltambém acarreta desgaste na máquina do corpo. O estresse pode ter até valorterapêutico, como é o caso no esporte e no trabalho, exercido moderadamente.Assim, uma partida de tênis ou um beijo apaixonado podem produzir considerávelestresse sem causar danos de monta.

O estresse produz certas modificações na estrutura e nacomposição química do corpo, que podem ser avaliadas. Algumas dessasmodificações são manifestações das reações de adaptação do corpo, seu mecanismode defesa contra o estressor; outras já são sintomas de lesão. No conjuntodessas modificações o estresse é denominados síndrome de adaptação geral (SAG),termo cunhado por Hans Selye, o criador e pesquisador que levantou pioneira eprofundamente a questão.(13)

1.4.10-Regulamentação da consulta de enfermagem

1.4.10.1 Definição

A consulta de enfermagem é uma atividade que proporciona aoenfermeiro condições para atuar de forma direta e independente com o cliente,caracterizando, dessa forma, sua autonomia profissional. Essa atividade, porser privativa do (a) enfermeiro (a), fornece subsídios para a determinação dodiagnóstico de enfermagem e para a elaboração do plano assistencial, servindocomo meio para documentar sua prática. O enfermeiro é responsável pelo conjuntodas ações assistenciais que competem à enfermagem.(8)

A consulta de enfermagem é regulamentada pelo Conselho Federalde Enfermagem na seguinte resolução: Resolução COFEN-159/1993. (8)

1.4.10.2- Teoria deEnfermagem

No Brasil, o primeiro modelo metodológico de processo deenfermagem (PE) foi proposto e aplicado pela teorista de enfermagem Vanda deAguiar Horta.

Processo de enfermagem (PE) é um método de resoluções deproblemas de enfermagem, usado no exercício da consulta de enfermagem e cujafinalidade é a assistência de enfermagem: o PE de Vanda Horta compõe-se deHistórico de Enfermagem, Diagnóstico de Enfermagem, Plano Assistencial,Prescrição de Enfermagem, Evolução de Enfermagem e Prognóstico de Enfermagem.

Para Wanda Horta, a finalidade da enfermagem é atender ouassistir o indivíduo em suas supostas necessidades humanas básicas afetadas epromover o autocuidado.

Autocuidado ou cuidado de si é outra teoria de enfermagem,desenvolvida entre 1971 e 1980 pela enfermeira norte-americana Dorothea Orem.(14)

» Baixe o artigo completo para continuar lendo.

Clique aqui para ler este artigo na WebArtigos.com