Blog Como Recurso Pedagógico Guaíba, Rio Grande do Sul

As ferramentas da Web 2.0, que tem surgido com uma certa velocidade, criam novas possibilidades para os processos e situações de ensino-aprendizagem que podem ser utilizadas para ampliar a capacidade dos alunos. A utilização do Blog como recurso pedagógico. As tecnologias devem ser colocadas como instrumentos a serviço da educação. Leia mais nesse artigo...

Academia Andança
(51) 3249-0077
r Dr Campos Velho, 1783, Cristal
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Academia de Ginástica Atlas de Porto Alegre
(51) 3223-5555
av Princesa Isabel, 639, Azenha
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Academia Espaço Fitness
(51) 3344-5728
av Bp João Scalabrini, 380 lj 7, Itu Sabará
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
academia Dojinmon de Karatê
(51) 3337-9936
r Portugal, 733 lj 1, São João
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Academia Energy
(51) 3246-9197
r Eng Jorge Porto, 644 s 103, Ipanema
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Academia de Ginástica Agagi
(51) 3386-9978
av Mãe Apolinária M Batista, 187, Protásio Alves
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Academia de Muay-thai e Thai Boxing
(51) 3261-3389
r Alameda Q, 288, Restinga Nova
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Academia Fitness Hall
(51) 3331-1333
r Silva Jardim, 278, Auxiliadora
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Academia de Yoga
(51) 3330-7748
av Protásio Alves, 274 Cj 203, Rio Branco
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Academia Cristal Fitness Center
(51) 3266-9781
av Wenceslau Escobar, 1286, Cristal
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Blog Como Recurso Pedagógico


1 INTRODUÇÃO

Nas últimas décadas do século XX, com o advento da Sociedade do Conhecimento, a exigência da superação da reprodução para a produção do conhecimento instiga a buscar novas fontes de investigação, tanto na literatura, quanto na rede informatizada. A "Era das Relações" (Moraes,1997), com a globalização, passa a exigir conexões, parcerias, trabalho conjunto e inter-relações, no sentido de ultrapassar a fragmentação e a divisão em todas as áreas do conhecimento.

A interatividade ganha centralidade na cibercultura, pois ocorre a mudança de paradígmas, passando da transição da lógica da distribuição (transmissão) para a lógica da comunicação (interatividade), causando uma modificação radical no esquema clássico de informação baseado na ligação unilateral emissor-mensagem-receptor. Torna-se essencial um olhar concreto acerca das potencialidades da World Wide Web na prática pedagógica, devendo esta ser encarada positivamente dado que proporciona ao aluno a descoberta da informação e, como se pretende, coloca-o num lugar privilegiado ao lhe ser dada a possibilidade de se tornar um produtor de informação para a Web. ( D’ Eça, 1998)

As ferramentas da Web 2.0 e o papel do professor

Com o desenvolvimeto das redes telemáticas, da World Wide Web e mais recentemente da Web 2.0, temos a colaboração como um lugar comum nas aplicações e atividades centradas na web, possibilitando a mão dupla da comunicação, que potencializa as situações de aprendizagem/ensino, deixando de ser apenas disponibilizadoras de informação.

As ferramentas da Web 2.0, que tem surgido com uma certa velocidade, criam novas possibilidades para os processos e situações de ensino-aprendizagem que podem ser utilizadas para ampliar a capacidade dos alunos.

Nesse contexto, o papel do professor é fundamental, no meio de toda essa revolução da informação, pois é ele o facilitador da aprendizagem dos seus alunos, utilizando também recursos tecnológicos. Tornando-se o principal transformador desse novo ambiente, dependendo dele a didática, a abordagem e o rumo das aulas, como sempre foi, só que, agora, transformada em alguns detalhes, com novas ferramentas tecnológicas.

Através da utilização dos recursos da web 2.0, o professor pode ajudar a ampliar a capacidade dos alunos de elaborar textos, pesquisar sobre um assunto, emitir opinião e debater com outros usuários, através de portifólios digitais de coletivos inteligentes que aprendem/ensinam em redes de colaboração, projetos de aprendizagem (ou de ensino) que poderão ser melhor e mais dinamicamente gerenciados por professores e/ou dinamizadores de aprendizagens, utilizando as ferramentas que existem (e que vão surgir) neste novo paradigma.

A utilização do Blog como recurso pedagógico

Os blogs são um dos recursos de publicação mais utilizados naquilo que Tim Berners- Lee, criador da WWW, chamou da “Web da leitura/escrita” [read/write Web]. Integra a categoria do que é chamado software social, que vem sendo definido como uma ferramenta, (para aumentar habilidades sociais e colaborativas humanas), como um meio (para facilitar conexões sociais e o intercâmbio de informações) e como u ma ecologia (permitindo um “sistema de pessoas, práticas, valores e tecnologias num ambiente particular local”) (SUTER; ALEXANDER; KAPLAN, 2005).

Tão importante quanto utilizar os blogues como ferramenta de publicação na web é transformá-lo num espaço para interações e/ou conversações entre todos. Não se trata de se tornar apenas uma ferramenta de leitura ou escrita, mas sobretudo, uma ferramenta que incentive a interação entre os aprendizes.

A idéia dos blogues em contextos educacionais, sobretudo como ferramenta de apoio às aprendizagens, deve estar focada na interação entre aqueles que aprendem, os recursos educacionais e aqueles que são, supostamente, os mais experientes (os professores).

Cabe ressaltar, que o professor não pode deixar de estabelecer objetivos e critérios ao utilizar este recurso, pois a utilização a esmo não enriquece as aulas, torna-se um tempo inutilizado para a construção e a troca de conhecimentos. Ele deve deixar claro o que espera do aluno e o que pretende com a proposta de trabalho. Assim a avaliação deve ser feita pelo professor e pelos alunos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A utilização das TIC e das ferramentas da web 2.0, em especial o blog, não devem ser consideradas apenas como ferramentas e recursos de informação e comunicação eletrônica, mas um investimento na criação de competências e isso não virá apenas pela democratização do acesso à educação, mas pela qualidade do processo educativo, que promovam interações e experiências educativas.

As tecnologias devem ser colocadas como instrumentos a serviço da educação, possibilitando condições para que sejam estabelecidas relações privilegiadas com o aluno, entre alunos e desses com os professores e o meio, transformando o seu modo de pensar e agir, levando-os a interrogar-se e a repensar as estratégias utilizadas para a criação de novos esquemas e estruturas cognitivas.

Ana Claudia Teixeira Machado

Pós graduada em Educação a Distância. Especialista em Supervisão Escolar. Licenciada em Pedagogia. Experiência na área da educação, com ênfase em EaD, atuando principalmente nos seguintes temas: tutoria, ambiente virtual de parendizagem e tecnologias educativas. Desenvolvedora, administradora e tutora do AVAwww.educacaovirtual.net/moodle.Membro da Associação Brasileira de Educação a Distância. Autora do livro Desmistificando o Moodle: um guia prático para prodessores. Professora da UNIVIMA.

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com