As Pressuposições da PNL Manaus, Amazonas

Somos apresentados a uma série de pressuposições que servem de base a muitos dos procedimentos e estratégias da PNL. Falando apenas por mim, achei que algumas delas são difíceis de entender. Veja mais no artigo abaixo.

Casa do Psicólogo
(92) 3233-5224
av Ipixuna, 1886, Centro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Exitus Consultoria e Psicologia Aplicada S/c
(92) 3622-6580
av Eduardo Ribeiro, 639, Ed P Comercio Sl 1009, Centro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Centro de Psicologia Aplicada da Unip
(92) 3632-2503
r 33, 12, Conjunto Castelo Branco
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Centro de Psicologia do Amazonas Ltda
(92) 3234-7979
r Barroso, 372, Centro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Sapce - Servico de Assessoria Psicologica, Clinica e Empresarial Limitada
(92) 3663-6258
av Tefé, 324, Cachoeirinha
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Climepsi Clinica Medica Psicologica Ltda
(92) 3648-8363
av Efigênio Sales, 3, Cj Mucuripe I, Aleixo
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Clinica de Pericia Medica e Psicologica Ltda
(92) 3236-9449
r Recife, 2012, Adrianópolis
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Climep Clínica Médica e Psicológica Ltda
(92) 3646-7488
r A, 28, Parque 10 de Novembro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Cemepsi Centro Med Psicológico Ltda
(92) 3642-3127
r Paz, 2, Parque 10 de Novembro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Espaco Crescer - Consultorios de Psicologia e Fonoaudiologia Ltda
(92) 3233-9884
av Japurá, 421, Sl 1, Centro
Manaus, Amazonas

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

As Pressuposições da PNL

re-modeladas por Ibrahim Abdul-Malik, Ed. D. (Doutor em Educação)

Desde o início de nossos estudos de PNL somos apresentados a uma série de pressuposições que servem de base a muitos dos procedimentos e estratégias da PNL. Falando apenas por mim, achei que algumas delas são difíceis de entender. Não porque eu fosse incapaz de entender seu significado, mas simplesmente porque eram expressas em uma linguagem que me deixava com dúvidas.

Por exemplo, meu professor me informava que não existe fracasso, mas apenas feedback, e que o significado da minha comunicação é a resposta que eu obtenho. Como pode ser isso? Em ambos os exemplos minhas experiências contradiziam a afirmação. Tanto quanto eu sabia, “fracasso” era “real” e na verdade, o significado da minha comunicação era aquele que eu pretendia.

A despeito de todas explicações que deviam me auxiliar a me sentir congruente sobre os dois conceitos, eu estava aprendendo as palavras, mas mesmo assim tendo problemas com seu significado mais profundo.. Quando cheguei ao Master Practitioner, eu passei a valorizar ambas as pressuposições, e até me admirei como elas eram úteis na mellhoria de minhas relações.

Eu me perguntei: como especificamente eu cheguei a esta atitude tão diferente? A resposta se baseia em parte no fato de eu começar a entender a verdadeira natureza de uma pressuposição. Embora eu saiba perfeitamente, do ponto de vista intelectual, agora eu estou convencido de que alguma parte de mim igualou “pressuposição” com “verdade”. E nada pode ser mais longe da verdade. PNL pre-supõe certas condições (isto é, assume sua existência) porque é útil fazer isso. Útil para que? Criar relações harmoniosas, entender o ponto de vista que outras pessoas têem sobre o mundo, ressignificar uma experiência ou evento desagradável de forma que se sintam melhor sobre aquilo… Você pode construir sua própria lista.

Na medida que eu refletia sobre minhas próprias experiências com as pressuposições, eu decidi remodelar algumas das mais comuns em uma linguagem que eu creio teria feito de minha primeira apresentação um encontro mais agradável. Que lhes parece?

1. O mapa não é o Território que ele descreve

Cada um de nós conhece o mundo fora de nossos corpos apenas através dos nossos 5 sentidos (algumas pessoas insistem que temos mais de 5). De qualquer forma, no mínimo, nós vemos, ouvimos, sentimos, cheiramos e provamos o gosto. Estes sentidos são nossos filtros. E tudo o que conhecemos deste mundo externo, o qual a PNL chama de território, nós aprendemos de mapas internos que fazemos deste território. O mapa que eu faço do mundo externo é diferente daquele que você faz do mesmo mundo. Realidade para cada um de nós é o mapa que fazemos. Por conseguinte, minha realidade é diferente da sua realidade. De fato cada um de nós conhece um mundo que é único para nós.

Quando nós falamos de nossas realidades externas, embora possamos estar descrevendo as mesmas exterioridades (território), o que eu estou experimentando deve ser necessariamente diferente em alguns aspectos daquilo que você está experimentando. Mas a despeito das diferenças, meu mapa é tão válido para mim, quanto o seu é para você. Por esta razão o mapa de todo mundo é “certo”, e nenhum mapa é “errado”.

Mas nem todos os mapas são igualmente úteis para auxiliar o usuário a negociar o território. Esta larga variação entre os mapas que criamos deve necessariamente significar que alguns de nós trabalhamos com mapas mais detalhados (ricos, se você preferir).

2. Em qualquer situação que enfrentemos, ter escolhas é muito mais útil do que estar restrito a responder de uma única maneira.

A verdade simples é que quando estamos limitados a uma só forma de resposta, nós realmente não temos escolha. Alguns argumentarão que mesmo com 2 opções à nossa frente, ainda não temos escolha. Porque nesta situação estaremos limitados a ou isto ou aquilo - é ou não é, sim ou não. Lembra-me um pouco a pergunta sem saída: “Você ainda bate na sua mulher?”

A pessoa com o maior número de opções é a pessoa com maior flexibilidade de pensamento e comportamento. Não é o que a cibernética chama de ” requisito de variedade”? Em qualquer ocasiaão esta é a pessoa que exercerá maior influência em qualquer interação.

3. Resultados os quais consideramos tipicamente “fracas-sos” são apenas “feedbacks”.

Uma outra forma de expressar este conceito é: tendemos a considerar como fracassos resultados que não queremos. Mas podemos usar estes resultados para nos guiar em como fazer as coisas diferentemente, de forma a obtermos os resultados que queremos. O que chamamos “fracassos” são oportunidades para aprender.

4. O significado de qualquer comunicação que temos com outra pessoa é a resposta que ela elicita naquela pessoa, independente do que temos a intenção de comunicar.

Algumas pessoas podem argumentar que o critério realmente importante sob o ponto de vista do significado da comunicação é a intenção do comunicador. E de certa maneira este argumento é válido. Mesmo assim, se o propósito da comunicação em primeiro lugar é passar/transmitir pensamentos de uma pessoa para a outra, então a suposição da PNL é uma evidência muito mais relevante do grau de sucesso desta comunicação.

5. Em qualquer situação as pessoas selecionam (entre as escolhas disponíveis a elas) aquela(s) que lhes proporcionarão melhores condições de sobreviverem, obterem prazer, criarem um ambiente seguro, evitarem dor e/ou perigo.

Esta pressuposição pode ser di-fícil de aceitar, à luz de que alguns comportamentos de certas pessoas nos parecem loucos, bizarros, até mesmo maus. Portanto sugerir que tais comportamentos são as melhores escolhas disponíveis para a pessoa naquela ocasião e naquele contexto, é contrário às normas para muitos de nós.

E assim mesmo, não estamos mais dispostos a aceitar o fato de que se a esta pessoa fosse dada uma escolha mais apropriada, uma que fosse consistente com seu modelo de mundo, ele/ela escolheria mais apropriadamente?

6. Todas as pessoas já possuem TODOS os recursos que elas precisam para agir eficazmente.

Aqui fazemos uma clara distinção entre “recurso” e “habilidade”. Eu posso ter os recursos para tocar piano (isto é, capacidade musical, maravilhosa coordenação mão-olho, mãos que podem alcançar uma oitava e meia), mas me falta a habilidade que me torna capaz de tocar uma Polonaise de Chopin. Com os recursos a pessoa pode desenvolver a habilidade.

Alguns de vocês podem ter alguma reserva sobre a aplicabilidade deste pressuposição a pessoas com desenvolvimento físico ou mental retardado. A PNL as inclui entre “todas as pessoas”? A resposta sem qualquer dúvida é “sim”. A designação “desenvolvimento mental/físico retardado” diz mais a nosso respeito - a nossa inabilidade para ver recursos nessas pessoas do que diz sobre as suas incapacidades.

7. Cada comportamento tem uma intenção positiva, favorável em algum contexto.

Embora o comportamento de uma pessoa possa ter resultados negativos ou destrutivos em um contexto particular, sua intenção subliminar é/era proteger esta pessoa em outro contexto. Portanto, quando interagimos com aquela pessoa, a PNL assume que focaremos a intenção positiva, em vez de responder apenas aos aspectos problemáticos do comportamento.

8. Em qualquer situação na qual nos encontremos, sempre teremos uma outra escolha, mesmo se (no momento) não a vemos, ouvimos ou sentimos.

Saber é estar apto a permanecer esperançoso de que a solução é possível, mesmo sob condições as mais deseperadoras.

9. Somos mais do que corpo e mente. Somos corpomenteespírito - um sistema no qual os três elementos interagem mutuamente uns com os outros.

Não é possível fazer uma mudança em um sem afetar os outros dois. E pouco importa qual é o primeiro a ser afetado. Pense em corpomenteespírito como um sistema dinâmico em equilíbrio. Quando este equilíbrio é perturbado, o sistema imediatamente procura readquirir seu equilíbrio dinâmico natural. Algumas vezes nossos pensamentos e comportamentos interferem seriamente com o processo e nós acabamos “fora de equilíbrio”.

10. Se alguma pessoa pode fazer alguma coisa, então é possível modelar isto e ensinar aos outros.

Modelar performances bem sucedidas leva à excelência.
Excelência portanto pode ser duplicada.

Publicado na Anchor Point de Jun/97.
Publicado no Golfinho Impresso Nº34 - Set/97
Traduzido por: Evanice Pauletti

Clique aqui para ler este artigo na Sua Mente