Aprendendo a fazer deliciosos omeletes Macapá, Amapá

Aprenda a fazer deliciosos omeletes francês. O nome vem do francês "omellette", mas a origem é polêmica. São citadas várias possibilidades. Aquela que parece ser a mais provável mostra, já entre os romanos, o preparo de claras e gemas batidas com mel e cozidas em travessa de argila.

Supermercado Santa Lúcia
(96) 222-1465
psg Jovino Dinoa, 2884, Laguinho
Macapá, Amapá
 
Sandoval Almeida Sandim
(96) 242-3630
av Raimundo Antônio Machado, 533
Macapá, Amapá
 
Supermercado Pierre
(96) 223-2868
psg Rio Branco, 18, Central
Macapá, Amapá
 
Minibox Querência
(96) 251-1912
r Julio Pereira, 910
Macapá, Amapá
 
Mercantil Congos
(96) 242-2356
r Benedito Lino do Carmo, 360, Buritizal
Macapá, Amapá
 
Supermercado Pierre Central
(96) 223-2577
av Mateus Azevedo Coutinho, 28, Laguinho
Macapá, Amapá
 
Supermercados Fortaleza Hiper
(96) 223-9077
r Leopoldo Machado, 2334, Jesus De Nazaré
Macapá, Amapá
 
Mecal Mercantil Caduceu Ltda
(96) 222-5187
av Procópio Rola, 713, Central
Macapá, Amapá
 
Cerealista Timbiras
(96) 242-9211
av Timbiras, 789, Beirol
Macapá, Amapá
 
Branderly Barriga Dias
(96) 241-2775
psg Jovino Dinoa, 3904, Laguinho
Macapá, Amapá
 

Aprendendo a fazer deliciosos omeletes

Equipe Portal Orgânico
Chef Renato Caleffi

O nome vem do francês "omellette", mas a origem é polêmica. São citadas várias possibilidades. Aquela que parece ser a mais provável mostra, já entre os romanos, o preparo de claras e gemas batidas com mel e cozidas em travessa de argila. Este prato é citado no livro de Apicius e recebia o nome de ova mellita.

Já os franceses afirmam que as formas atuais da palavra (alamelle, alumelle, alumette, amalette e omelette) são uma variação de Lamelle, que significa lâmina pequena.

Também os ingleses reinvindicam a origem do prato: teria sido criado pelo médico Oswald Mellet que, em vez de clínica, abriu um restaurante onde se servia uma série de pratos à base de ovos e em cuja placa da entrada se lia "Dr. º Mellet". Esta versão baseia-se numa pesquisa feita na Universidade de Cambridge.

Na Idade Média, Taillevente é o primeiro chef a fazê-la salgada, chamando-a arboulastre d'oeufs. Somente no séc. XVII passa a ser largamente denominada omelette.

Hoje, é uma iguaria de ovos, com claras e gemas batidas em conjunto ou em separado, sendo depois misturadas, temperadas com sal, fritas na manteiga ou no óleo bem quente, em frigideira grossa, de preferência de ferro. As claras e gemas batidas em separado deixam a massa mais aerada. Os recheios são agregados antes da omelete ser dobrada e servida.

Nas omeletes espanholas, mistura-se o recheio à massa de ovos batidos, enquanto crua, levando então à frigideira para cozer. Algumas omeletes são preparadas sem recheio. Devem ser dobradas sobre si mesmas sem se partir; há casos de se adicionar o recheio depois que ela estiver no prato, dentro da omelete por meio de um corte.

Tudo isso é diferenciado pelo estilo. Sua textura não pode ser seca, deve ser úmida e sua cor levemente pálida.

Estilos de omelete: estilo dobrado, estilo francês e estilo fritada

Omelete Estilo Francês

1. Utilizar frigideira antiaderente;
2. Bater os ovos temperados;
3. Despejar manteiga clarificada;
4. Adicionar os ovos;
5. Ao tornarem-se sólidos, colocá-los ao centro da frigideira;
6. Despejar no prato, fazer uma incisão e introduzir o recheio.

Omelete Estilo Fritada

1. Cozinhe algumas carnes ou vegetais, ou batata em rodelas;
2. Aqueça uma soutesse e adicione a manteiga clarificada;
3. Junte os ovos, e os ingredientes até estarem bem misturados;
4. Mexa suavemente até os ovos ficarem sólidos, vagarosamente vá desgrudando os ovos da borda da frigideira e continue cozinhando até que os ovos estejam mais sólidos ou quase pronto;
5. Coloque a frigideira no forno quente ou salamandra, ou grelha para terminar a cocção ou até a superfície ficar dourada. Deslise a fritada pronta em um prato e sirva imediatamente.

Para ver algumas receitas de OMELETES, clique nos títulos abaixo:

Omelette au Roquefort

Omelete com Ervas Finas

Omelete de Queijo

Fonte: Chef Renato Caleffi

Clique aqui para ler este artigo na Portal Gastronomia