Aprenda como reduzir custos na reciclagem de plástico Patos, Paraíba

Aprenda como reduzir custo na separação de plásticos favorecendo a reciclagem. A dificuldade em separá-lo do PVC - aplicado em encanamentos e embalagens - é um dos principais empecilhos à sua reciclagem. Um dos maiores problemas entre PET e PVC é a "contaminação cruzada".

Sucata Cavalcante
(83) 422-1684
HR Nobrega SN
Patos, Paraíba
 
Sucata Cidelino
(83) 521-2781
av P Firmino, 301
Patos, Paraíba
 
Emlur Emp Munl Limpeza Urbana
(83) 241-2189
Erp Tavares, 396
João Pessoa, Paraíba
 
Sucata Geraldo
(83) 421-4406
av P Firmino SN
Patos, Paraíba
 
Sucata Toinho
(83) 421-5001
P Branca, 999
Patos, Paraíba
 
Sucata Condor
(83) 331-1021
J Wallig, 2315
Campina Grande, Paraíba
 

Aprenda como reduzir custos na reciclagem de plástico

Editoria: Vininha F. Carvalho26/9/2003

Redução de custo na separação de plásticos favorece a reciclagem

A flotação (processo de separação das partículas de uma mistura sólida pulverulenta (com muito pó), mediante a formação de uma espuma que arrasta as partículas de uma espécie, mas não as de outra) é uma maneira eficiente e econômica de separar o plástico PET (polietileno tereftalato) do plástico PVC.

Após mais de dois anos de experimentos em laboratório, a engenheira Gisela Ablas Marques verificou a eficiência dessa técnica, utilizada desde o início do século em minérios.

O PET, usado na confecção de garrafas de refrigerantes (68% de todo refrigerante no país é embalado com PET), embalagens e tecidos, tem alto valor no mercado de recicláveis, perdendo apenas para o alumínio. Em 2001, o Brasil produziu 360 mil toneladas de PET e reciclou 89 mil toneladas.

A dificuldade em separá-lo do PVC - aplicado em encanamentos e embalagens - é um dos principais empecilhos à sua reciclagem.Naturalmente hidrofóbicos (repelentes à água), os plásticos não afundam durante a flotação, mesmo alguns deles sendo mais densos que a água.

A técnica consiste em modificar as propriedades de um dos tipos de plástico para que ele possa ser "molhado" pela água e afundar. Assim, o PET e o PVC misturados, já picados e lavados, são colocados em solução aquosa com o surfactante (tipo de reagente), que faz com que um deles possa ser molhado pela água e deprimido enquanto o outro flutua com a fixação de bolhas em sua superfície. Até então, a separação entre os dois materiais era difícil porque suas densidades são muito próximas.

"Por intermédio da ação do surfactante foi possível mudar a superfície do PET fazendo com que ele apresentasse maior afinidade pela água que o PVC. Desse modo, conseguimos flotar o PET e deprimir o PVC", explica Gisela Marques.

Ela variou o surfactante e o espumante (substância para ajudar a "prender" o plástico flotado na superfície). Também trabalhou com diferentes níveis de acidez da solução e tamanhos dos flocos de plástico.Assim, a engenheira chegou a uma fórmula ideal: a solução deve ser básica, de pH 12.

O surfactante escolhido foi o Lignosulfonato de Cálcio (LCa) e o espumante foi o Metil Isobutil Carbinol (MIBC). Os materiais devem ser moídos em flocos de plástico de 4,7 a 3,3 milímetros. O tempo de permanência na solução deve ser de uma hora.

"Se deixar durante apenas 10 minutos não dá tempo do surfactante agir sobre a superfície do PET e ambos os plásticos são flotados. Se deixados por duas horas, os dois materiais serão deprimidos e estarão no fundo do recipiente", conta.

Um dos maiores problemas entre PET e PVC é a "contaminação cruzada". "O PVC contamina a reciclagem do PET e vice-versa", afirma Gisela. Ela explica que uma garrafa de PVC em meio a 20 mil garrafas de PET é o suficiente para inutilizar todo o lote. Além disso, o PVC, em alta temperatura, libera ácido clorídrico, o que corrói o maquinário e provoca defeitos no produto final.A contaminação do PET também pode se dar por tampas, rótulos e adesivos.

"Cada um deles é um tipo de plástico diferente, que não pode ser misturado ao PET." Atualmente, a separação é manual, feita em uma esteira rolante. "O problema é que PVC e PET são parecidos e podem ser confundidos", relata a engenheira.

Segundo Gisela, apesar da contaminação prejudicar a reciclagem, o principal empecilho ao processo ainda é a coleta e a separação dos materiais.

"A coleta seletiva de lixo custa cerca de oito vezes mais do que a coleta convencional. O investimento é alto e não existe um retorno a curto prazo, por isso a implementação é difícil", lamenta.Apesar dos problemas, o Brasil é o segundo país em reciclagem de plástico PET.

"O processo de reciclagem utiliza apenas 10% da energia necessária para a produção do mesmo produto a partir da resina virgem", lembra Gisela. Ela acredita que, com a flotação, que pode ser implementada em empresas de grande porte, o mercado de reciclagem de plásticos pode se ampliar ainda mais.

A dissertação de mestrado Separação de PVC e PET para reciclagem foi apresentada à Escola Politécnica (Poli) da USP, em abril último. O estudo integra o Núcleo de Reciclagem de Resíduos, do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da Poli.

Fonte: Agência USP de Notícias

Clique aqui para ler este artigo na Ecotour