Aprenda como preparar seus filhos para felicidade Cachoeirinha, Rio Grande do Sul

O psicanalista Wagner Paulon analisa qual tipo de educação incentiva à felicidade dos filhos. A base de sua análise é a teoria de Sigmund Freud. O autor destaca que, a capacidade de amar e trabalhar são os principais meios de atingir satisfação.

Auto Escola São Geraldo
(51) 3325-2389
av Benjamin Constant, 397, São João
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Exemplar
(51) 3361-1285
av João Wallig, 91, Passo da Areia
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Apolo Ltda
(51) 3343-2555
r 24 Outubro, 1758, Independência
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola São Cristóvão
(51) 3217-4266
av João Pessoa, 1888 s 1, Farroupilha
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Teresópolis Ltda
(51) 3223-3031
av da Azenha, 169, Azenha
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola CSC Modelo
(51) 3228-1503
r José Patrocínio, 827, Centro
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Criativa
(51) 3226-2815
r José Patrocínio, 827, Centro
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Teresópolis Ltda
(51) 3318-2270
r Sta Maria, 863,São José
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Auto e Moto Escola Liderança
(51) 3338-2421
av Protásio Alves, 3900,Petrópolis
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Centro de Formação de Condutores Atlântica
(51) 3217-6000
r José Alencar, 906, Azenha
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Aprenda como preparar seus filhos para felicidade

Mirando o Futuro

Dr.Wagner Paulon

1986 -2008

Quando se pergunta aos pais o que mais gostariam que seus filhos tivessem na vida, a resposta normalmente é "felicidade". Mas onde está a felicidade e como podemos ajudar nossos jovens a alcançá-la? Ajudando-os a tornar-se financeiramente seguros? Cuidando da saúde deles? Protegendo-os da tragédia e do infortúnio? Certamente poderemos fazer esforços nesse sentido, mas neste mundo imprevisível não podemos ter certeza de um sucesso mais que temporário. 

Muitos dos desafios que os jovens futuramente terão que enfrentar e muitas das adaptações que terão de realizar são impossíveis de predizer: para reconhecer isso, basta olhar as estimativas do último ano, feitas por especialistas, acerca de como seria o mundo de hoje. Mas se os pais não podem proporcionar aos filhos um plano para o futuro, nem lhes prescrever como devam viver a própria vida, que mais podem fazer?

Se olharmos para a realidade sem qualquer preconceito, parece-me que o melhor que podemos fazer com relação a nossos filhos é procurar desenvolver neles um sentido claro e seguro de identidade própria e um compromisso com algum sistema de valores básicos. Sem isso, a existência humana terá pouco significado ou propósito reais. A vida traz muitas crises e decepções. Mas os jovens emocionalmente maduros - capazes de alcançar uma integração eficaz de suas próprias necessidades e desejos, de sua consciência e de seus ideais, e as demandas do mundo real - estarão muito mais bem preparados para enfrentar os inevitáveis "altos e baixos do destino" do que os jovens imaturos, rígidos e inflexíveis, ou indefinidos e auto-indulgentes, ou neuróticos.

Ser "mentalmente são" não significa ser capaz de atravessar a vida sem conflito. Ninguém pode evitar os conflitos entre suas próprias necessidades, objetivos e desejos e as demandas da realidade, ou entre necessidades internas opostas; seja como for, uma parcela razoável de conflito costuma servir como impulso para maior crescimento e desenvolvimento pessoal. O que os pais podem e devem fazer é ajudar os filhos a aprender a tolerar uma quantidade razoável de conflito e frustração e lidar eficazmente com eles, a ser realistas e moderados em suas necessidades e medos. 

Perguntaram certa vez a Sigmund Freud, o que entendia ele por maturidade emocional. Ele respondeu: "Lieben und arbeiten" - a capacidade de amar e trabalhar. Ao amarmos genuinamente nossos filhos (o que certamente não previne momentos de frustração e irritação aguda), ao valorizá-los e respeitá-los como pessoas, ao desfrutarmos de sua companhia, ao sermos dignos de sua confiança, podemos ajudá-los a tornar-se capazes de amar e de confiar nos outros.

Ao encorajar nossos filhos e filhas a serem independentes, competentes, confiantes e responsáveis, podemos ajudá-los, nas palavras de Freud, "a trabalhar" - isto é, prepará-los para enfrentar os desafios das cambiantes demandas vocacionais e para assumir as responsabilidades de cidadãos. Como vimos, esta tarefa é mais bem realizada por pais "competentes" ou "democráticos" do que por pais autoritários ou indulgentes, ultratolerantes em suas práticas educativas - e certamente não sendo remissos nem indiferentes. 

Mas numa sociedade moderna não se pode esperar que os pais sozinhos façam todo o trabalho. As crianças precisam de cuidados nutricionais e de saúde adequados; precisam crescer em locais decentes; precisam estar cercadas de amigos e adultos que lhes possam proporcionar modelos bem sucedidos de comportamento social responsável. E precisam de boa educação, que possa estimular e desenvolver suas capacidades naturais e prepará-las para carreiras compensadoras e para serem cidadãos responsáveis. 

Finalmente, quando se tornam adultos jovens, os indivíduos precisam encontrar emprego e ser aceitos como membros capazes da sociedade.

???

Wagner Paulon

FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE (ESCOLA PAULISTA), MESTRE EM PSICOPATOLOGIA (ESCOLA PAULISTA), PSICOLOGIA (SAINT MEINRAD COLLEGE) USA, PEDAGOGIA (FEC ABC), MBA (UNIVERSITY ABET) USA, CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENTORPECENTES (USP).

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com