Análise entre agressão ativa e passiva Formosa, Goiás

Algumas pessoas não sabem se comportar assertivamente, e resolvem seus problemas recorrendo a condutas agressivas. Há duas formas de agressividade: Ativa e Passiva. Veja mais no artigo abaixo.

Goiania Painéis Ltda
(62) 3287-2770
r Benjamin Vieira, 185, Cid Jardim
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Marques Comunicação Express Ltda
(62) 3286-5219
av C 107, s/n, Sn Qd 275 Lot 10, Jd América
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
TTA Propaganda e Assessoria de Marketing Ltda
(62) 3092-9292
r Oitenta e Nove, 235, St Sul
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Jaime Som Publicidades e Eventos Ltda
(62) 9263-4330
r Luzia,Sta, 2132, Jd Nova Esperança
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Oportunidade de Negócios
(62) 9188-0007
Daia
Anápolis, Goiás
 
CONSULTORA IMOBILIÁRIA
(62) 9258-2957
Av. Jamel Cecilio, 2.047, Jd. Goiás
GOIÂNIA, Goiás
 
Cannes Publicidade Ltda
(62) 3219-7000
r Dezessete A, 933, St Aeroporto
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Goias Cartões
(62) 8585-2125
Rua 2 Nº 357 - Bairro Campinas
Goiânia, Goiás
 
Casa de Propaganda Ltda
(62) 3225-6090
av Goiás, 997, Tr Lj 8, St Central
Goiânia, Goiás

Dados Divulgados por
Logotipo, logo, marca, logomarca
(62) 9288-5978
Avenida São Jorge
Anápolis, Goiás
 
Dados Divulgados por

Análise entre agressão ativa e passiva

Os MC são muito imaturos. Não sabem se comportar assertivamente, e resolvem seus problemas recorrendo a condutas agressivas.

Há duas formas de agressividade:

Ativa: empregam ameaça ou violência.

Passiva: Mediante sabotagem, ou a inibição e crítica/ameaça posterior.

Os manipuladores são pessoas imaturas. Não tem alcançado o desenvolvimento intelectual suficiente para resolver os problemas de uma forma criativa, não são capazes de sentir amor maduro por nada nem ninguém, e ainda que são muito capazes em amplas reuniões, tem um alto déficit de habilidade social básica para o desempenho cotidiano: A assertividade.

Uma Pessoa se comporta assertivamente quando define seus direitos de uma forma ativa, porém sem pisotear aos demais. Isto requer uma ascensão de responsabilidade pelo próprio bem estar, com tolerância e respeito pelos pontos de vista e metas dos demais, além de uma luta ativa para não ser pisoteado por quem não é assertivo.

Não vivemos em meio assertivo. Nossa sociedade se caracteriza por uma competitividade feroz em que se fala em direitos que não se respeitam.

Ser assertivo custa trabalho, e nem sempre se consegue que se flua como pensávamos. Para triunfar nessa sociedade é indiscutivelmente mais fácil ser agressivo.

As pessoas agressivas impõe seu ponto de vista, sua definição do problema, seus direitos ou a satisfação de suas necessidades, empregando estratégias que geram medo, culpa ou vergonha, pode ser de forma “relativamente” sutil através do enfado, mas também mediante violência física ou verbal. É uma estratégia muito efetiva, porém se é demasiada explícita pode se ver severamente castigado pela sociedade.

A agressividade pode se exercer de duas formas: Ativa ou Passiva. A Ativa é o que todo mundo entende por conduta violenta. Se caracteriza por uma atitude de pisoteio constante e sem escrúpulos em relação aos direitos de outras pessoas involucradas no problema. Aqui o fim justifica os meios e se pode recorrer a instrumentos como o taco de beisebol, também se pode fazer “com um sorriso nos lábios” como acontece nas relações empresariais. Se não há violência física, é bem tolerada pelo meio social.

A agressividade Passiva é muito mais difícil detectar. Tradicionalmente se considerou que se produzia em forma se sabotagem. Os trabalhadores passivo-agressivos eram aqueles que punham todo tipo de trava nas atividades da empresa. Há outra concepção, e é a seqüencial: Pessoas que se comportam primeiro passivamente, aparentando renunciar seus direitos, e que percebem que o resultado não é favorável, tratam de se comportar agressivamente. Empregam, primeiramente a estratégia de “passar”, e posteriormente ameaçam ou criticam.

Fonte: http://www.psicologia-online.com/colaboradores/jc_vicente/manipulacion2.htm

Clique aqui para ler este artigo na Sua Mente