Analise a passagem rápida do tempo Parnamirim, Rio Grande do Norte

A globalização contribuiu para o aumento de tarefas diárias. O autor examina as consequências da falta de tempo para concluir as demandas. Ele comenta também sobre o modelo Europeu de redução de atividades e relaxamento.

Helvecio A Mattos
(273) 239-2045
av Champagnat, 583, sl 808, Praia Da Costa
Vila Velha, Espírito Santo
 
Cecilia EC Grotti
(67) 321-0730
av Afonso Pena, 1897, an 1 sl 1101, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
 
Geraldo Bernacz
(69) 442-1044
av 25 de Agosto, 4926
Rolim de Moura, Rondônia
 
Victor F B Mello e Associados Ltda
(115) 533-5939
r Madressilva, 43, Itaim Bibi
São Paulo, São Paulo
 
Dialetika Fenomenos Organizacionais
(313) 484-5777
r Cardeal Stepnac, 514, ap 301, Cidade Nova
Belo Horizonte, Minas Gerais
 
Escrit Possobon
(553) 336-1445
av Rio Branco, 417, Catuípe
Catuipe, Rio Grande do Sul
 
Acqua Plus Vale Água Mineral Ltda
(123) 921-5568
av Heitor Villa Lobos, 1666, JD Maringa
São José dos Campos, São Paulo
 
Cia Riograndense Saneamento Corsan
(51) 561-1148
r José de Alencar, 681, Estância Velha
Estancia Velha, Rio Grande do Sul
 
Alternativa Incorp Ltda
(43) 325-5189
r Santos, 766, Centro
Londrina, Paraná
 
Valdir Y Salto
(12) 233-4477
pc S Mons Barros, 254
Taubaté, São Paulo
 

Analise a passagem rápida do tempo

Apesar do tempo real, medido pelas horas, dias, semanas, anos, etc., não sofrer mudanças, acredita-se que cada vez menos tempo se tem para realizar as muitas atividades diárias, independentemente do tempo disponível, o que nos faz chegar à seguinte conclusão: as pessoas em todo o mundo estão sempre correndo e com muita pressa.

Realmente, este tem sido um assunto muito comentado atualmente, sendo até mesmo considerado por estudiosos, e muitos escritores têm contribuído de alguma forma na dissipação dele através de vários artigos de opinião.

  Mas, por que então a teórica falta de tempo tem se mostrado tão importante hoje em dia? Por vários motivos. Um deles tem a ver com uma das possíveis causas das doenças do século – estresse e depressão. Sim, observando os muitos casos que vem ocorrendo, percebe-se que as pessoas pela necessidade de fazer ou realizar as coisas com rapidez – exigido pelo próprio sistema – passam a não ter condições de executar suas atividades com qualidade no tempo solicitado. E quando absorvem muita carga de trabalho e necessitam de realizá-las com eficiência e qualidade o resultado é o chamado estresse que segundo sua definição é o “conjunto de reações do organismo a agressões de ordem física, psíquica, infecciosa, e outras, capazes de perturbar-lhe a homeostase (equilíbrio interno)”. Ao mesmo tempo quando o objetivo não é alcançado, talvez sinta a condição de frustração, incapacidade, fraqueza, o que poderá levá-la à depressão.

Outro motivo tem a ver com a globalização, a qual vem contribuindo para essa correria, pois, tudo tem que ser feito com rapidez e a concorrência pressiona a todos individualmente. Esta correria tem sido vista no nosso dia-a-dia, quer nas ruas, nos locais de trabalho e também nas escolas, onde até nossas crianças estão pagando um preço alto por isso. Infelizmente, isto tem contribuído para valorizar ainda mais a pressa, fazendo com que as pessoas tenham um desgaste maior principalmente quando estas precisam de reconhecimento.

Enquanto se dedicam a uma busca infinita por mais tempo, paga-se um preço alto por isso. O prejuízo é bem visível, e os prejudicados neste intere são muitos. Entre eles a família, os colegas, os amigos e muitos outros.

Este prejuízo fez com que a Europa iniciasse uma campanha chamada de desaceleração e pessoas em muitos países fora deste continente tem aproveitado a idéia e incentivado outros fazer o mesmo. De que se trata? È sugestão considerada muito simples. Concentra-se na redução da quantidade de tarefas diárias, na tentativa de relaxar mais, manter uma aproximação maior com as pessoas - que podem diretamente afetar sua vida favoravelmente – e ter melhor qualidade de vida com bons hábitos alimentares e exercícios físicos modulares. Isso parecer ser muito interessante, visto que, não somente nosso corpo vai agradecer, mas também nossas relações ficarão mais estáveis, onde não mais valorizaremos a pressa, antes daremos muito mais valor ao tempo que dedicaremos às pessoas que nos cercam.

Claro que a conscientização neste aspecto é muito mais do que simplesmente ler um artigo ou a opinião de outros, todos precisam pensar e agir em prol dessa necessidade. Contudo, além da família, os educadores, e também a chefia podem muito contribuir para que isto se torne cada vez mais uma realidade como já foi no passado, onde se dedicava tempo e às vezes, muito tempo nas conversas familiares, nos detalhes do ensino e na valorização do tempo dedicado ao negócio pelo trabalhador.

Realmente o tempo parece sempre estar contra nós, e muitos ainda se queixarão de falta de tempo, mas, nossa dedicação juntamente com bom planejamento poderá fazer a diferença neste respeito, e poderemos sim desfrutar de todo tempo necessário para nos deliciarmos da nossa vida tão preciosa. Talvez no futuro em vez de dizermos não tenho tempo para nada, diremos, tenho todo o tempo do mundo.

Daniel Carvalho Nunes

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com