Analise a Qualidade da Educação Boa Vista, Roraima

O artigo critica a qualidade do ensino no país. Como base, o autor argumenta que um estudo global classifica o Brasil entre as piores redes de educação. A falta de investimento do governo é um dos problemas apontados, confira.

Centro de Formação de Vigilante Roraima
(95) 3623-5789
r Pedro Rodrigues, 1622 Mecejana
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Ceterr
(95) 3224-6493
r Mário Homem Melo, 281 Centro
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Gema Cursos Técnicos
(95) 3624-5388
r Gov Aquilino Mota Duarte, 1627 Boa Vista
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Microlins Centro de Formação Profissional
(95) 3224-1869
av Getúlio Vargas, 6523 Centro
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
CEFET-Centro Federal de Educação Tecnológica
(95) 3621-8000
Via Flores, 2500 Boa Vista
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
CAPIT-Centro Assist Prof Integ Trab
(95) 3625-6365
av Princs Isabel, 1200 Tancredo Neves
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Senai
(95) 3625-5027
av Imigrantes, 399 Buritis
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Escola Agrotécnica
(95) 3627-2573
Rod BR 174, 12 km 12 Boa Vista
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
SENAT-Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte
(95) 3625-8551
av Princs Isabel, 1200 Jardim Floresta
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Escola de Formação de Professores Boa Vista
(95) 3623-2058
av Ville Roy, 1854 Canarinho
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Analise a Qualidade da Educação

A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A diferença entre os resultados apresentados por escolas públicas e particulares do Brasil são sempre difíceis de compreender. Por um lado, parece normal se esperar que estudantes de escolas particulares sejam mais produtivos ou mais preparados que aqueles de escolas públicas. Por outro, está bastante claro que o Brasil continua longe de conseguir se nivelar aos países mais avançados, nesse quesito da educação, seja ela pública ou particular.

Talvez seja lógico imaginar que existe maior produtividade no sistema privado de ensino; isso parece ser um concenso, mas também é evidente que existe um número gigantesco de alunos mal aproveitados dentro da rede estatal. É mais que certo que existem muitos talentos e mentes brilhantes que não são otimizadas ou bem desenvolvidas na rede pública de ensino infantil.

A discussão desse assunto merece mesmo toda a atenção do povo brasileiro. Para se ter uma idéia do quanto precisamos avançar, observe que o Brasil está em 52º lugar em ciências e em 53º lugar em matemática em uma lista de apenas cinquenta e sete países. Esses são resultados de uma pesquisa que englobou alunos provenientes das duas redes.

Estamos entre os piores países na área da produção de conhecimento e sabe por quê? Acompanhe: a cada dez estudantes que chegam ao fim da 8ª série, seis saem sem saber interpretar um texto ou efetuar operações matemáticas simples, e isso, repito, envolve todos os alunos do Brasil.

Essa descoberta faz qualquer pessoa ficar surpresa! Pois, se o ensino público precisa melhorar, e isso é inegável, provado está que o ensino da rede particular também está muito abaixo dos países desenvolvidos! E o que mais agrava essa realidade é que, segundo pesquisas recentes, professores, pais e alunos se mostram muito satisfeitos com o ensino das escolas brasileiras. É isso mesmo: enquanto aparecemos nos últimos lugares em rankings mundiais da educação, tá todo mundo achando que estamos no caminho certo!

Certo mesmo, é que a criança brasileira não recebe os investimentos corretos para crescer intelectualmente, e após formada, produzirpara o seu país. Enquanto na Inglaterra a melhor escola infantil ou básica é a pública, no Brasil, verifica-se que a mesma é uma verdadeira sucata. E será que a nossa escola particular pode se gabar de estar numa situação muito melhor que a pública? Baseando-se na média dos resultados apresentados no cenário internacional, não. O fato é que os ingleses pobres e ricos estudam na mesma escola, pois lá não existe escola básica melhor que a pública. O mesmo acontece na Finlândia, Suécia e Alemanha, onde os professores não reclamam de salários, são respeitados e tomados como modelos. Esses países mostram que não se pode alcançar o desenvolvimento sem impor um bom nível à educação. Conseguir colocar todas as crianças na escola, não significa atingir crescimento econômico e social. É o zelo pela qualidade que pode nos trazer esses resultados para que as crianças sejam, de fato, o futuro do Brasil e, se pra tanto tivermos que copiar modelos de sucesso que assim se faça. Não há mal nenhum nisso!

Cabe a todos nós cobrarmos maiores e melhores investimentos sobre as crianças brasileiras e que a imprensa se dê conta do quanto ela é importante para auxiliar o Brasil nesse sentido.

Clique aqui para ler este artigo na WebArtigos.com