A técnica da grelha como instrumento avaliador da auto-estima Bayeux, Paraíba

Aprenda uma tecnica de avaliar sua auto estima. Os estudos atuais sobre si mesmo não o colocam como uma dimensão única, mas como um conjunto de concepções que a pessoa mantém sobre si mesma. Veja mais abaixo.

Anelise Cordula Psicóloga Clínica
(83) 3227-0530
av Gal Edson Ramalho, 100 s 402, Manaíra
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
Consultório de Psicologia Belminda Vinagre Filha
(83) 9332-5886
av Epitácio Pessoa, 753 Sl. 614
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
CAMP-Centro de Atendimento Médico e Psicológico
(83) 3239-3209
r Manoel Rosa Silva, 33, Mangabeira
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
Clínica Psicológica Ana Maria Gonçalves da Silva Cordula
(83) 3247-4221
av Gal Edson Ramalho, 100 s 401
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
Michelle Valois Sarmento
(83) 8801-3256
av Rui Barbosa, 173
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
CLIPSI-Clínica Psicologia
(83) 3222-4816
r Índio Piragibe, 43 s 1, Centro
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
Centro de Atendimento em Psicologia Hospitalar
(83) 3224-5967
av Pres Epitácio Pessoa, 2020, Centro
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
Clínica de Terapias
(83) 3224-7742
r Maria Caetano F Lima, 185
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
Climepsi Clínica Médica Psicológica
(83) 3226-3095
av Pres Epitácio Pessoa, 4161 sl 7
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
Clínica Interser Especializada no Ser Humano
(83) 3222-6620
av D Pedro II, 712, Centro
João Pessoa, Paraíba

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

A técnica da grelha como instrumento avaliador da auto-estima

Jose Antonio Jiménez Carmona

Alunos internos do Dpto. de Psiquiatria, Personalidade, Avaliação e Tratamento Psicológico
Faculdade de Psicologia da Universidade de Sevilha.

Os estudos atuais sobre si mesmo não o colocam como uma dimensão única, mas como um conjunto de concepções que a pessoa mantém sobre si mesma. (Markus e Nurius, 1986; Higgins, 1987). Esta visão concorda com os planejamentos da Teoria dos Constructos Pessoais (Kelly, 1955) e com enfoques do tipo construtivista que descrevem ao “eu” como composto por diferentes tipos de esquemas de natureza verbal e/ou imaginativa, sendo universais os nucleares, caso da auto-estima. (García Martínez, 1998).

O “eu” mesmo, a grosso modo, estaria composto por:

- Elementos que fazem parte do campo da experiência da pessoa, como o eu real (representação própria).

- Elementos referentes a realidades não experienciadas, como o eu ideal (representação desejada) ,eu deveria (representação “dever ser”), eu rejeitado (representação do que se rejeita).

Com estes diferentes elementos de si mesmo se realizaram diferentes estudos que pretendem mostrar as relações que se podem estabelecer entre isso e as possíveis discrepâncias, conceito utilizado por Higgins para mostrar a existência de diferenças entre elementos.
Assim, autores como Higgins, Bond, Klein e Strauman (em Avia 1995), relacionam discrepâncias entre o “eu real”, o “eu ideal” e o “eu ideal com transtornos depressivos” e entre o “eu real” e o “eu deveria” com transtornos do tipo ansioso.

Moretti e Higgins (em Avia 1995) encontram resultados no que a baixa auto-estima se dá em pessoas que mostram discrepâncias entre seu “eu real” e seu “eu ideal”. Autores como Feixas (1992), utilizam precisamente esta discrepância como índice global da auto-estima.

Por outro lado, Ogilvie (em Avia, 1995), conclui nos seus estudos que a satisfação pessoal está estreitamente relacionada com discrepâncias entre o “eu real” e o “eu rejeitado”.

Em nosso estudo fazemos uso da técnica da grelha de Kelly, na sua versão interpessoal, a qual está composta de vários elementos, neste caso pessoas significativas para a pessoa avaliada (pai, mãe, casal…), assim como elementos do sistema do “eu mesmo” (eu real, eu ideal, eu deveria e eu rejeitado). Das comparações entre estes elementos se citam os constructos que fazem parte do sistema de significados da pessoa.

Quanto a resultados quantitativos, esta técnica contribui entre outros para, análise de correspondência simples, correspondência simples entre elementos e constructos, correlações de Pearson, análise de conglomerados e correlações entre elementos…, sendo estes últimos os resultados utilizados neste estudo.

A construção da grelha responde a alguns planejamentos teóricos e metodológicos característicos que mais tarde serão abordados e que neste estudo pretendem comparar-se com outros diferentes como os que pode contribuir com uma técnica como a Escala de Autoconceito de Tennessee (EAT) criada por Fitts (1975).

O EAT é uma prova psicométrica que avalia 3 dimensões do eu mesmo, Auto-estima (valorização afetiva), Auto-conceito (valorização cognitiva) e Auto-comportamento (valorização comportamental) em 5 manifestações ou aspectos externos (Física e de saúde, moral e religiosa, pessoal, familiar e social).

Com este estudo pretendemos relacionar os índices de Auto-estimas contribuídos por ambas às provas, com a hipótese que haverá uma ausência de correlação entre ditos índices. As diferenças que as provas, podem contribuir com informação em relação a este resultado.

MÉTODO.

Pessoas:

Número de pessoas: 20
Sexo: 13 mulheres/ 7 homens
Idade: Entre 17-28 anos
Características: Nível educativo medio-alto

MATERIAIS:

Caderno de perguntas do Tennesse.
Folhas de respostas do Tennesse
Folhas de correções do Tennesse
Folha de pontuações do Tennesse
Moldes da Grelha.
Folhas de descrição dos constructos.
Programa informático Record v. 2.0
Programa informático estatístico SPSS.
SalaI>
Sala de avaliação.
Caneta

PROCEDIMENTO
Com o prévio consentimento da pessoa, o entrevistamos individualmente para lhe explicar os objetivos do estudo e o procedimento que vai se executar com sua colaboração.

As duas provas são implementadas a cada pessoa, controlando os efeitos da ordem de apresentação mediante contrabalanço. Em 50% da amostra se a aplica primeiro o Tennesse e posteriormente a grelha, e aos outros 50% a ordem inversa.

Antes de começar com cada prova, são dadas instruções precisas para compreendê-la, assegurando a perfeita compreensão da mesmas.

A pessoa não tem limite de tempo para realizar ambas provas, as quais se aplicam em dois momentos diferentes com o único objetivo de evitar a fadiga da pessoa.

Finalmente, se agradece a pessoa pela participação, assegurando-lhe o anonimato e confidencialidade dos resultados, ao que poderá ter acesso se assim o desejar.

RESULTADOS

  • Análise de Correlações

Clique aqui para ler este artigo na Sua Mente