A linguagem não verbal e a verbal Brasília, DF

Sempre que nos comunicamos com alguém utilizamos dois tipos de linguagem: verbal e não verbal. A liguagem verbal compõe-se de palavras e frases. A linguagem verbal e a linguagem não verbal é constituída pelos outros elementos envolvidos na comunicação. Aprenda mais no artigo abaixo.

Diart Agencia de Publicidade
(61) 3202-2490
cln 116 Bl D, s/n lj 102 A Sul
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Central Midia
(61) 3322-5707
srtvs 70 bl 2/4 sl 324 Asa Sul
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Agencia de Publicidade Dois Nove Meia
(61) 3307-1793
UNB, s/n bl A s 661/8 Campus Universitário
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Montadon
(61) 3327-7762
scrn 702/703 Bl C, s/n en 12 s 101Asa Norte
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Agencia Neuronio Publicidade
(61) 3349-1373
cln 116 Bl F, s/n sl 105 Asa Norte
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Decisiva Agencia de Publicidade
(61) 3202-0912
r Setor Habitacional Taquari, s/n sl 114 A Sul
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Couto Propaganda e Marketing
(61) 3447-4477
cln 111 Bl C, s/n s 110 sl 109
Brasília, DF

Dados Divulgados por
DSP
(61) 3963-2929
snc 116 Bl E, s/n sl 111 A Sul
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Agencia Comunica Publicidade
(61) 3964-1500
Scln, s/n Qd 110, Bl A, Sl-102 Asa Norte
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Oitonos Propaganda e Marketing
(61) 9206-0738
r Quadra 08, 155 Condominio Parque Jardim Paineiras
Brasília, DF

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

A linguagem não verbal e a verbal

  • Parte1
  • Parte2
Parte1

Sempre que nos comunicamos com alguém utilizamos dois tipos de linguagem: verbal e não verbal. A liguagem verbal compõe-se de palavras e frases. A linguagem verbal e a linguagem não verbal é constituída pelos outros elementos envolvidos na comunicação, a saber: gestos, tom de voz, postura corporal, etc.
Que ninguém duvide do poder da linguagem não verbal. Se uma pessoa lhe diz que está muito feliz mas sua voz é baixa, seus ombros estão caídos, o rosto inexpressivo, em qual mensagem você acredita? Na que ouviu ou na que viu? À esta discrepância entre a linguagem verbal e não verbal damos o nome de incongruência. Portanto, uma pessoa incongruente em determinado aspecto diz uma coisa e expressa outra diferente através de seus gestos, postura, voz, etc.

A linguagem não verbal provém do inconsciente de quem se comunica. Esta é a razão pela qual é tão difícil controlá-la conscientemente (por exemplo, um candidato a um emprego tem dificuldades para disfarçar suas mãos trêmulas em virtude da ansiedade na hora da entrevista). E será processada pelo inconsciente de quem recebe esta comunicação. Deste fato decorrem algumas observações interessantes.

Somente os bons atores são capazes de convencer outras pessoas com relação a uma mensagem da qual discordem inconscientemente. Isto porque esboçam sinais mínimos de incongruência. Ou seja, são treinados para controlar as manifestações do inconsciente (os sinais que poderiam denunciá-los, tais como a voz, que precisa ser forte ao interpretar um personagem agressivo e corajoso, mesmo que no fundo o ator esteja morrendo de medo da platéia).

Outra observação diz respeito à interpretação que fazemos desta linguagem não verbal e inconsciente. Nós às vezes não sabemos explicar por que não acreditamos no que uma pessoa disse. Simplesmente sentimos que algo está errado. Alguns chamarão a isto de intuição. Na verdade, nosso inconsciente observou os sinais do inconsciente da outra pessoa e os codificou. Ele registrou, por exemplo, os sinais que a pessoa emitiu a cada vez que expressou alegria. Imagine que esta pessoa juntava as mãos e respirava fundo sempre que se dizia alegre. Se um dia ela apenas sorri e não repete aqueles sinais, então concluímos que em uma das duas situações ela não estava se sentindo alegre.

Num outro exemplo, temos aqueles nossos amigos que nos conhecem tão bem a ponto de ser quase impossível mentir para eles. Isto porque eles já têm codificados no inconsciente todos os nossos sinais. Eles conhecem, por terem participado de momentos importantes de nossas vidas, a expressão que temos quando estamos cansados, preocupados, alegres, etc.

Imagine agora a seguinte situação: Uma mãe diz a seu filho que o ama, mas com uma voz ríspida e expressão agressiva. Obviamente, o inconsciente da criança registrará a incongruência e ela não se sentirá amada. Todavia, a fim de se proteger da dor que isto causa, ela poderá não dar ouvidos à mensagem inconsciente, procurará ignorá-la e assim se convencer de que a mãe a ama. Com o tempo e com a repetição, ela poderá aprender a desconsiderar sempre a mensagem de seu inconsciente.

Clique aqui para ler este artigo na Sua Mente