A Questão Do Troco e das Balinhas Ji-Paraná, Rondônia

Se o comércio sabe que não tem troco por que continua a fazer propaganda de produtos com preços de R$1,99 ou R$1,97?Quem não tiver troco é obrigado a arredondar o valor da mercadoria para baixo quando não puder dar dinheiro ao cliente. Leia...

Nelmar Negri
(69) 421-5093
av Brasil, 198
Ji-Paraná, Rondônia
 
Jeane Camargo Silva
(69) 221-4447
r Duque de Caxias, 1835, Centro
Porto Velho, Rondônia
 
Minas Cópia
(69) 536-5278
av Jamari, 3125, Setor 1
Ariquemes, Rondônia
 
Clefferson Alexandre Alves Braga
(69) 224-2036
av Calama, 2122, cs 2122, Arigolandia
Porto Velho, Rondônia
 
Sce Serv Cons Empresarial Ltda
(69) 224-1628
r Almirante Barroso, 228, Centro
Porto Velho, Rondônia
 
Baterais e Auto Eletr Japonesa Ltda
(69) 421-3594
av Transcontinental, 227
Ji-Paraná, Rondônia
 
Maria Socorro Pessoa
(69) 441-5197
r Antônio Deodato Durce, 1118, Centro
Cacoal, Rondônia
 
Escrit Alpha
(69) 321-3016
av Presidente Tancredo Neves, 5, qd 49
Vilhena, Rondônia
 
Marinha Celia Rocha Raupp Mattos
(69) 442-1036
av Norte Sul, 4782
Rolim de Moura, Rondônia
 
Clínica Implantodontia
(69) 321-3997
av Major Amarante, 2556
Vilhena, Rondônia
 

A Questão Do Troco e das Balinhas

Quem vai as padarias, supermercados, bancos ou lojas do comércio em geral sabe que é comum vermos ofertas de R$1,99, R$2,99 e muitos noventa e noves da vida, e que geralmente, para não dizer sempre, o comércio que oferece o produto não tem troco para devolver ao cliente.

Normalmente as pessoas, os consumidores, nesses casos preferem ficar com o prejuízo e simplesmente pensam “É muito pouca coisa para eu perder tempo”. Concordo que seja pouca coisa, pois os trocos inexistentes raramente ultrapassam alguns centavos, mas o problema maior é que não deveria ser o consumidor a ter que se preocupar, e sim o comerciante, mas em razão de quase inexistirem reclamações a respeito, essa prática abusiva e, infelizmente, corriqueira, se perpetua.

Se o comércio sabe que não tem troco por que continua a fazer propaganda de produtos com preços de R$1,99 ou R$1,97? Simplesmente porque ninguém reclama e os comerciantes continuam a ficar com valores indevidos dos consumidores, valores estes que se somados todos os centavos, certamente, formarão um valor considerável.

Assim, por vezes o caixa do comércio simplesmente oferece um balinha de troco para o cliente, e por vezes, simplesmente, arredonda o valor do produto para cima. O que fazer nessa situação?

Nosso Código de Defesa do Consumidor não possui nenhum artigo expresso a respeito do troco, mas, os princípios do CDC que garantem a proteção do consumidor, que este nunca seja prejudicado e, também, os artigos que garantem ao consumidor só pagar pelo que quer comprar ou consumiu (art.39, CDC) nos valores ofertados (art. 30, CDC) dão o embasamento legal para a exigência do troco exato.

Quem não tiver troco é obrigado a arredondar o valor da mercadoria para baixo quando não puder dar dinheiro ao cliente.

Caso o comerciante queira empurrar as famosas balinhas como troco, este estará, também, incorrendo em mais uma prática abusiva, transformando a negociação em uma venda casada, atitude essa reprimida pelo CDC (art.39, I) e pela Lei que define os crimes contra as relações de consumo (Lei nº 8.137/90, artigo 5º, inciso II)

“A lei protege o cliente. O fornecedor deve ter sempre à disposição troco suficiente e o real é a única moeda que libera a mercadoria. Balas não são dinheiro” explica o assistente da Fundação Procon de São Paulo, Carlos Alberto Nahas. (1)

Na opinião do especialista em Direito do Consumidor Sérgio Tannuri, “Veja, o problema não é nem o valor do troco — que muitas vezes, é insignificante —, mas a sensação de ser passado para trás por aquele caixa espertinho que sempre alega não ter troco. Não importa a quantia em questão, o que importa é não ser feito de bobo.” (2)

“Se não tiver moeda e o cliente não aceitar balas, por exemplo, deve dar o troco maior” afirma o Diretor de atendimento da Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon SP), Evandro Zuliani (3)

Por fim, “de acordo com a coordonadora do Procon-PR, Ivanira Gaveão Pinheiro, os estabelecimentos comerciais têm a obrigação de dar o troco exato ao consumidor. Quem incorrer na prática de dar "balinhas" de troco, pode ser autuado pelo órgão de defesa do consumidor.”(4)

Assim, o comerciante, simplesmente, tem que cumprir a oferta, sendo certo que se colocam produtos com preços “quebrados” devem ter troco para isso, pois não tenho duvida em dizer que quem não é justo no pouco, não será justo no muito.

Citações:

(1) http://www.igf.com.br/aprende/dicas/dicasResp.aspx?dica_Id=3865 acesso em 23/04/2008

(2) http://www.procon.goias.gov.br/artigodoutrinario/artigo_dout_78.htm acesso em 23/04/2008

(3) http://www.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1§ion=Economia&newsID=a1815027.xml

acesso em 23/04/2008

(4) http://www.consumidor-rs.com.br/index.php?p=cont_int&p1=boletim&txt_codigo=10002422acesso em 23/04/2008

Alessandro Meyer da Fonseca

Advogado, formado em direito pela UFMT, especialista em Processo Civil, pós-graduando em Direito Ambiental e professor universitário em Cuiabá/MT

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com