A Estatística No Cotidiano Escolar Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo

As informações estatísticas são concisas, específicas e eficazes, fornecendo assim subsídios imprescindíveis para as tomadas racionais de decisão. A Estatística é encarada, atualmente, como uma ciência capaz de obter, sintetizar, prever e tirar inferências sobre dados. Saiba como aplicar as estatistica ...

Auto Escola Fioroti
(27) 3327-0414
av Adalberto Simão Nader, 1085, República
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Auto Escola de Angeli Ltda
(27) 3315-0285
av Hugo Viola, 1001 sl 217, Mata da Praia
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Centro de Formação de Condutores Parada Obrigatória
(27) 3325-5040
av Maruipe, 1560, Bonfim
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Centro de Formação de Condutores Pegoretti
(27) 3324-1559
av Nossa Senhora Penha, 2550 Sl 102, Santa Luíza
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Auto Escola Quatro Rodas
(27) 3345-9433
r Aleixo Netto, 154, Sta Lúcia
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Auto Escola Yndicar Ltda
(27) 3314-6676
av Vitória, 2590 sl 102, Bento Ferreira
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Auto Escola Vitória
(27) 3227-6565
av Nossa Senhora da Penha, 1300, Barro Vermelho
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Centro de Formação de Condutores Adão
(27) 3325-4983
av Maruipe, 2345, Santa Martha
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Auto Escola Direcar
(27) 3325-4634
av Nossa Senhora da Penha, 2462 Lj 01 Santa Luiza
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Auto Escola Planeta
(27) 3227-7791
r Vitalino Santos Valadares, 7, Sta Luiza
Vitória, Espírito Santo

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

A Estatística No Cotidiano Escolar

a ESTATÍSTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

Profº Raul Enrique Cuore Cuore

Resumo

A Estatística no cotidiano escolar é uma ferramenta indispensável para traçar de forma objetiva os rumos que serão tomados dentro da Instituição, tanto no âmbito curricular, como na gestão escolar. Este trabalho tem a intenção de exemplificar algumas das aplicações da Estatística na escola e a sua importância, fazendo uma alusão a sua história e às suas aplicações.

Palavras-chave: Escola; Estatística; Informação.

1 introdução

O universo escolar é constituído de vários campos que permitem o seu funcionamento. Ensinar é o propósito final da Instituição, porém para que esta funcione a contento, se faz necessário que todos os seus departamentos “falem a mesma língua”, e os seus objetivos sejam bem demarcados.

A história da estatística deixa claro que sua função é estatística, ou seja, levantamento de dados em determinada população, no qual se tem um objetivo para adquirir um resultado. Este resultado pode ser: Valor absoluto; valor relativo; amostra; estimador; população; variável contínua; coleta direta e indireta.

As informações estatísticas são concisas, específicas e eficazes, fornecendo assim subsídios imprescindíveis para as tomadas racionais de decisão. Neste sentido, a Estatística fornece ferramentas importantes para que as Instituições possam definir melhor suas metas, avaliar sua performance, identificar seus pontos fracos e atuar na melhoria contínua de seus processos, assim sendo os investimentos terão o menor risco possível.

2 Uma breve história da estatística

A palavra Estatística, derivada do termo latino “status” (estado), parece ter sido introduzida na Alemanha, em 1748, por Achenwall. A Estatística é encarada, atualmente, como uma ciência capaz de obter, sintetizar, prever e tirar inferências sobre dados. Porém no século XVII em Inglaterra a Estatística era a “Aritmética do Estado” (Political Arithmetic), consistindo basicamente na análise dos registros de nascimentos e óbitos, originando, mais tarde, as primeiras tábuas de mortalidade.

Ao longo da Idade Média e até ao século XVIII a Estatística foi puramente descritiva, coexistindo duas escolas: a escola descritiva alemã, cujo representante mais conhecido é o economista Gottfried Achenwall (1719-1772), professor na Universidade de Gottingen, considerado pelos alemães como o pai da Estatística, e a escola dos matemáticos sociais que procuravam traduzir por leis a regularidade observada de certos fenômenos, de caráter econômico e sociológico.

Embora esta escola procurasse fundamentar a formulação de previsões com base em leis sugeridas pela experiência, a Estatística confundia-se, praticamente, com a demografia, à qual fornecia métodos sistemáticos de enumeração e organização. Na verdade, a necessidade sentida, em todas as épocas, de conhecer, numérica e quantitativamente, a realidade política e social tornou a análise demográfica uma preocupação constante.

John Graunt (1620-1674), juntamente com William Petty (1623-1687), e o astrônomo Edmond Halley (1656-1742) são os principais representantes da escola inglesa, que dá um novo impulso à Estatística, fazendo-a ultrapassar um estado puramente descritivo; analisam-se os dados na procura de certas regularidades, permitindo enunciar leis e fazer previsões.

No entanto, a Estatística para adquirir o status de disciplina científica, e não puramente ideográfica ou descritiva, teve que esperar pelo desenvolvimento do cálculo das probabilidades, que lhe viria a fornecer a linguagem conceptual permitindo a formulação de conclusões com base em regras indutivas.

Data do século XVII o início do estudo sistemático dos problemas ligados aos fenômenos aleatórios, começando a ser manifesta a necessidade de instrumentos matemáticos, aptos a analisar este tipo de fenômenos. Pode datar-se dos fins do século XIX o desenvolvimento da Estatística matemática e suas aplicações, com Francis Galton (1822-1911), K. Pearson (1857-1936) e William Sealy Gosset (1876-1936), conhecido sob o pseudónimo de Student.

Pode-se afirmar que a introdução sistemática dos métodos estatísticos na investigação experimental é produto dos trabalhos de K. Pearson e Sir Ronald Aylmer Fisher (1890-1962). A partir de Pearson e Fisher o desenvolvimento da Estatística matemática, por um lado, e dos métodos estatísticos aplicados, por outro, têm sido tal que é praticamente impossível referir nomes.

3 aplicações da estatística

Grande parte das informações divulgadas pelos meios de comunicação atuais provém de pesquisas e estudos estatísticos. Os índices da inflação, de emprego e desemprego, divulgados e analisados pela mídia, são um exemplo de aplicação da Estatística no nosso dia a dia.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, ao qual a Escola Nacional de Estatísticas está vinculada, é o órgão responsável pela produção das estatísticas oficiais que subsidiam estudos e planejamentos governamentais no Brasil.

A Estatística é uma ferramenta multidisciplinar, pois os conceitos estatísticos têm exercido profunda influência na maioria dos campos do conhecimento humano. Métodos estatísticos vêm sendo utilizados no aprimoramento de produtos agrícolas, no desenvolvimento de equipamentos espaciais, no controle do tráfego, na previsão de surtos epidêmicos bem como no aprimoramento de processos de gerenciamento, tanto na área governamental como na iniciativa privada.

Na prática, a Estatística pode ser empregada como ferramenta fundamental em várias outras ciências. Na área médica, por exemplo, a Estatística fornece metodologia adequada que possibilita decidir sobre a eficiência de um novo tratamento no combate à determinada doença.

Na área tecnológica, o advento da era espacial suscitou diversos problemas relacionados ao cálculo de posição de uma astronave, cuja solução depende fundamentalmente de conceitos e teorias estatísticas mais elaboradas.

Profº Raul Cuore

Professor de Matemática e Fisica na Rede Particular de Campo Grande - MS. Graduado em Matemática, Pós-Graduando em Eduacação Matemática.

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com