A Educação Necessita De Inovação Dourados, Mato Grosso do Sul

E impressionante notar como o modelo de ensino de antigamente não difere muito dos tempos atuais. Isto se da por vários indicadores, como por exemplo a falta de disponibilização de recursos financeiros do Estado. Veja mais sobre este assunto abaixo.

Auto Escola CFC Aliança
(67) 3321-0596
r 26 Agosto, 60, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola 2000 Ltda
(67) 3026-7184
av Afonso Pena, 1649, Bairro Amambaí
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Estilo Elite
(67) 3325-3360
r 7 Setembro, 784, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Central Sul
(67) 3321-1854
av Mato Grosso, 1313, Vila Ilgenfritz
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Dom Aquino Ltda ME
(67) 3382-2744
r 7 Setembro, 434, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Autorama
(67) 3324-7263
r Maracaju, 759, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola e Despachante Luiz Ltda
(67) 3324-1303
av Afonso Pena, 593, Chácara Cachoeira
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Águia
(67) 3351-4516
av Cel Antonino, 749, Coronel Antonino
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Fittipaldi
(67) 3324-5400
r Maracaju, 218, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Auto Escola Futura
(67) 3325-4232
r 7 Setembro, 605, Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

A Educação Necessita De Inovação

Desde que chegaram os primeiros colonizadores ao Brasil, a educação é marcada por hierarquização, segregação e dominação. Sabe-se que a origem do ensino se deu devido a catequização dos índios pelos jesuítas, que tinham por objetivo a exploração e expropriação da terra. Anos se passaram, e é impressionante notar como o modelo de antigamente não difere muito dos tempos atuais. Nota-se como o sistema de ensino ainda é falho devido a uma série de problemas, cuja a causa é muito difícil de discriminar. Há vários indicadores como por exemplo a falta de disponibilização de recursos financeiros do Estado, falta de iniciativa do governo, falha na formação dos professores, falta da participação dos pais, entre outros. Mas, com uma reflexão crítica do processo histórico, cultural, e social, é possível chegar a conclusão de que o sistema educacional sofre, devido à falta de comprometimento do próprio Estado.

Não deve-se deixar de lado as outras questões que também contribuem para o desarranjo no ensino, pois se não existe uma efetiva participação do Estado, é justamente devido ao fato da falta de cobrança e fiscalização das pessoas de um modo geral, sejam elas pais, alunos ou professores. Como na época da colonização, continua-se a dominação das pessoas menos favorecidas, ou seja, aqueleas desprovidas de poder, no entanto, existe uma diferença entre uma época e outra : o acesso a informação. Hoje, até as pessoas leigas sabe que para haver transformações no Brasil, é indispensável uma educação de qualidade, então, fazer uso do mínimo conhecimento, aqueles transmitidos diariamente em jornais, revistas, internet ou rádio, é o primeiro passo para a mudança.

Em segundo lugar, é necessário que haja um engajamento profissional no que se refere a uma instituição escolar. Professores, diretores, coordenadores devem trabalhar de forma mais integrada de modo a possibilitar o melhor desempenho das aulas. Não é fácil implementar no plano de ensino, alternativas para a melhor aprendizagem quando não há material necessário, mas é preciso buscar trabalhar com dignidade nos recursos disponíveis, e ao mesmo tempo, lutar pelos direitos de melhor remuneração, estabilidade e outros, pois, é falta de compromisso com a profissão e até mesmo com os alunos a desmotivação de muitos desses profissionais. È de fundamental importância que a direção de uma escola se intere do plano de ensino dos professores, e que também realize reuniões cobrando a efetiva participação dos pais, para que todos tenham contato com a realidade educacional. A união de todas essas vítimas, fará uma enorme diferença.

Por fim, é importante também que os jovens se engajem nessa luta, pois, a Constituição Federal de 88, garante a todo cidadão o direito mínimo à educação. Infelizmente essa lei continua somente no papel, e ainda há uma supremacia daqueles que detém o poder perante os menos favorecidos, como na era colonial, mas existe também, a esperança de modificar esse processo, pois a cada dia as pessoas se interam sobre seus direitos, e percebem que estes lhe são negados, então nota-se uma indignação coletiva. Os jovens podem fazer a diferença à medida em que forem tomando contato com a realidade e percebendo que o verdadeiro nó começa muito antes da sala de aula. Aqui, remete-se a uma questão anterior, os profissionais da educação não devem somente repassar um conhecimento, mas sim, provocar uma reflexão crítica nos alunos, pois são estes os seus melhores aliados no combate a uma reforma no sistema de ensino, e além do mais, são o futuro do nosso país.

Conclui-se que, para que se possa acabar com o processo de cronificação de um sistema de ensino baseado na “re-produção” de um modelo, é necessário que se entenda que existe sim um grande vilão, que é o Estado. Entretanto, não se deve atribuir a culpa somente a ele, é importante saber que pais, alunos e professores são co-responsáveis dessa situação. Para atenuar os problemas educacionais em nosso país, tem que haver um comprometimento do Governo, da iniciativa privada, dos diretores e dos professores, deve-se criar um ambiente propício para que o aluno possa desenvolver o seu potencial.

 

Fabiana

Estudante de Psicologia

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com