A Cinquentona, Já Sem Trema Caxias, Maranhão

O inclusive vale tudo, inclusive aliás, num vale-tudo de estarrecer. É a Entropia reinante, de todo tipo, indicação de todos os tipos. O Ministério da Educação percebeu-a esdrúxula, na DOCUMENTA. Veja mais abaixo.

Auto Escola Unidas Formacao de Condutores de Veiculos Ltda
(98) 3243-2642
r Antonio Raposo, 15, Cutim
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
Fisk Escola de Idiomas
(80) 0773-3475
av Colares Moreira, s/n, Sn Qd 37A, São Francisco
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
M J da Silva Lima
(98) 3222-4835
r Paz, 219, Centro
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
S Carvalho Ltda
(98) 3243-6658
av Franceses, 287, Apeadouro
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - MA
(98) 3231-2044
r Passeio, 495, Centro
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
I. C. Abreu Mendes - Me
(98) 3244-6261
r Existente, 1, Prq Universitário
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
Auto Escola Lirio dos Vales Ltda - Me
(98) 3249-4852
tr Marly Sarney, 56, Vl Ivar Saldanha
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
Centro de Formacao de Condutores Capital Ltda
(98) 3253-6816
r Renato Viana, 4, Qd A, Vl Ivar Saldanha
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
C. de M. Abreu Duarte
(98) 3243-4438
av Edson Brandão, 3, Cutim
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
Centro de Formacao de Condutores Maranata Ltda
(98) 3221-5989
r Grande, 1561, Sl 4, Centro
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

A Cinquentona, Já Sem Trema

A Cinquentona, já sem trema, desde a Lei do Acento, de 1971... (Revisão)

Teoria Geral da Confusão Somos primitivos de uma cultura desconhecida (Boccioni, 1911)

Aliás, neste País das Maravilhas, sempre do Futuro (!), dos Absurdos, dos Tracinhos, do Zero à Esquerda (explica-se...), das Crianças de Zero Anos, do Anuênio (inexplicável), da estupidamente maior Capital do mundo, do Príncipe-já-Rei – enfim, do disparate Não era, mas continuou a ser –, tudo se explica.

O inclusive vale tudo, inclusive aliás, num vale-tudo de estarrecer. É a Entropia reinante, de todo tipo, indicação de todos os tipos. O Ministério da Educação percebeu-a esdrúxula, na DOCUMENTA. Na Rede, é exdrúxula...

~ A Confusão grassa, mas não tem graça, há quarenta anos é distrital. Por 98 anos foi federal, com a Capital errada nas Cartas, desde 1890. Forma-se um Consciente Coletivo irreal, nebulosa gigantesca, enorme Paradoxo, o Povo longe da verdade, pelo menos da relativa. A Lenda se instala, nada científica. O Povo adora a Lenda.

Há uma chuva ácida de impropriedades de todo tipo, incluindo o todo o sob confusão, até o Governo erra, trabalhando em todo Brasil, 974 vezes na Rede. Há as Pérolas do ENEM, mas também dos vestibulares universitários. Na Rede, secessão, sesseção, e seceção – qual a correta? Há esitar, exitar, e hesitar. E discursão. Logo, esta teoria em verdade não é uma tese, mas descrição irretorquível da realidade por nós vivida.

Em breve, Brasília será Cinquentona. Por enquanto, é Patrimônio Cultural da Humanidade. Assim? Resta-nos menos de um ano para exorcizarmos todos os demônios de Confusão já ditos e escritos sobre a Capital da Esperança, especialmente nessa Rede mundial das confusões (não só) da Língua pátria, em detrimento do Ensino nacional.

Parece justo afirmar: breve (!), ou daqui há pouco (!!) haverá mais erros, aporias, incompletudes, falácias, solecismos, rabulices, distorções, lendas, despautérios, parvoíces e/ou necedades, inépcias, idiotias, disparates, frases vazias, grande dose de achismo, confusões lingüísticas, geográficas, históricas, até matemáticas – e menos acertos, na mídia incluída a Lei, a TV, a Internet (o Governo quer um micro em cada sala de aula...), a Entrevista, o Comentário, o Artigo de Jornal, o Guia Turístico. Não esqueçamos das Palavras Cruzadas, já plenas de confusões. Há os Catálogos Telefônicos da Capital... E há incríveis sentenças eubulideanas, em nosso meio ambiente.

A Confusão se forma de vários fatores, todos analisados nesta Teoria, pelo grupo de autores. A confusão lingüística afeta a lógica humana, de volta. Um fator, – a desatenção; por 98 anos, as Cartas fixaram com erro nossa Capital, sic: O Distrito Federal é a Capital da União. A Confusão já era constitucional, de 1890...

A remissão desse Pecado Capital só veio na Magda de 1988: Brasília é a Capital Federal. No interregno, livros indicaram as duas capitais... Outro fator, a Glamurização. É de alto glamur declarar, mui abalizado,em reunião social e na TV:

v Brasília, capital do Distrito Federal..., ou ... planejada para 500 mil, já tem 2 milhões..., prosápia. Denota grande noção municipal, o autor de tais sentenças vazias passa por Cientista ex cathedra, pelo menos Social. Ninguém contesta, por ignorância, e surge a Vaca de Presépio.

Ninguém contesta, pois ninguém aprofunda coisa alguma, no dizer do Jornalista de São Paulo, o da Imprença adrede. Criam-se as lendas, os clichês inquebrantáveis, “perfeitos”, no conhecimento popular: temos até a Pedra Fundamental do Distrito Federal!

Entropia é a con-fusão de regiões de probabilidades anteriormente distintas,dirá Wiener, naCyberneticsde 1948 – iniciada, na verdade, por Platão – a ser plenamente esclarecida, em parte própria, Direito e Cibernética, pois também esta é sob alta dose de confusão com Informática e/ou Computação.

De todos os erros já históricos, o tema Brasília será o mais duramente tratado aqui, desde a transição do Município da Corte (ou antes, na província) ao Districto Federal, até à transferência da Capital para o Planalto, e o conseqüente Distrito Federal novo – por força da imprecisão ou distorção contínua e exacerbada flagrante nos inúmeros mal-ditos já encontrados, e suas derivações – buscando exorcizar esse demo de 54 nomes em dicionários e enciclopédias nossas, disfarces de má índole da perturbação no Ensino. Um mega evento, sem dúvida.

O h’ da Matemática não é a ave fasianídea e ovípara, comestível. Dia-a-dia não é DIA DIA nem Dia-Dia, e Noite Afora não é Noite A Fora, embora tais erros estejam na Televisão e, agora, na Internet, pelo Brasil Afora.

Deturpam-se nomes de Palácios em Brasília, e o da Padroeira do Brasil. Há35 Jucelino Kubitchek na Rede. O grande Ruy perde o ípsilon, ficam o Benedito novelista, a Marina, o Ayrton, os Caymmi, o Paty do Alferes, a Paraty, patrimônio nacional, os dois Neys da Televisão...

Este ensaio não pretende atingir a Verdade absoluta: é ela inatingível, tudo parece um Conceptualismo de Abelardo e Kant, mas bítico. Em tudo, Verdade relativa,ver em Afastamento da Realidade. Lembremos do Profeta:

Quem for sábio, que entenda estas coisas. Quem for prudente, que as saiba. E do Teeteto, de Platão.

Nos Catálogos da Capital, não se encontra o Espaço Lúcio Costa, homenagem do Governo ao internacional Arquiteto de Brasília, nem com o nome errado, como sói acontecer na Rede – em um deles, o Espaço está dentro d’água... É omitida a nova Ponte JK, prêmio do 20º Congresso Internacional de Pontes. Há mapas errados.

É dose muito alta de incoerência. Os Catálogos, livros turísticos, porém didáticos, não se orgulham de descrever corretamente sua Capital: erram até nas ruas da Esplanada, e na ordem dos blocos dos Ministérios!

Brasília e DF, a maior confusão já vista em todo o panorama histórico-geográfico brasileiro. Ninguém se aprofunda em coisa alguma, a frase mais lapidar da Imprença nacional, diz o filósofo jornalístico Japiassu açério, explicado adiante. E os erros permanecem durante anos, na TV e na Rede, na Lei, nos Catálogos Telefônicos da Capital da Nação; desses,cada edição erra à sua maneira, criando conjunto indescritível, inverossímil.

Os Governos e (seus) Órgãos não se interessam em corrigir os erros pertinentes (produzindo outros), a fim de bem ensinar às gerações futuras, a partir dos aspectos históricos e geográficos, chegando aos turísticos de nossa Quarentona... O Novo Portal do GDF contém vários erros em nomes de seus próprios Órgãos.

Nos Catálogos da Capital, não se encontra o Espaço Lúcio Costa, homenagem do Governo ao internacional Arquiteto de Brasília, nem com o nome errado, como sói acontecer na Rede – em um deles, o Espaço está dentro d’água... É omitida a nova Ponte JK, prêmio do 20º Congresso Internacional de Pontes. Há mapas errados. Catálogo das Cidades-satélites não mostra o Gama, na parte das Quadras...

Brasília e DF, a maior confusão já vista em todo o panorama histórico-geográfico brasileiro. Como diz o IGHDF? E a Academia de Letras? E assim, va-mos...

Agora, temos essa Rede mundial de deturpações de toda espécie, não só lingüísticas. Há até Essa de Queirós. O original do escritor: Queiroz. Empáfia: a Televisão a denominaRede mundial de computadores... não aprofundando coisa alguma. Seu conteúdo é extremamente sofrível. Um Aviso aos Navegantes:

Não se deve confiar à primeira vista em nada dito na Rede, mormente sobre Brasília e Distrito Federal, notadamente nos ditos do Governo. A reação em cadeia é flagrante e inexorável, não sendo previlégio (na TV...) de nenhuma casta. Há muita gente de canudo dizendo e escrevendo impropriedades de todo tipo. As más-linguas são eficientes, especialmente na Educação e/ou (!) no Ensino...

Alerta: a ordem dos fatores altera tudo, em geral, em qualquer Sistema, especialmente na Língua – exceto na Aritmética Finita e nos palíndromos: alguma coisa é Um, mas coisa alguma é seu inverso matemático, ou Zero. Cama não é maca, Maria José é o inverso (!) de José Maria. Também nos anagramas, a ordem é outra: Roma não é amor. Outro alerta: não éatrela.

O plano das partículas atômicas e o das galáxias onde, aliás, a Lei de Newton sobre ação e reação não se aplica sempre, são diferentes do plano onde a Lei de Newton sobre ação e reação sempre não se aplica: a interversão dos fatores inverteu o sentido da compreensão. Não é preciso dizer, diferente de é preciso não dizer...

Na Teoria Geral da Confusão, sob título Hermenêutica Aplicada, todo pouco será cuidado, pois ao pensamento de Montaigne (1533-1592), válido neste ensaio sobre a Confusão,

Ninguém está livre de dizer tolices. O imperdoável é dizê-las solenementeajuntamos o de Emerson,

É prova de alta cultura dizer as coisas mais profundas do modo mais simples. É nossa intenção.

Eis uma grande confusão, solenemente dita, e retirada da Rede das confusões:

v ... quando da elevação do Brasil a Reino Unido do Brasil, Portugal e Algarve 1815 ... Outra:

v ... a cerimônia de elevação do Brasil a Reino Unido em 1816 ... de uma Universidade! Ainda:

v ... está decretada a elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal e Algarves. Sem dúvida, um grande mistério ainda não elucidado pela nossa História. É de um Ministério... E outro mistério:

v ... com a elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, em 1808, ... em sítio sobre a evolução da Ciência e educação no Brasil!

A Rede é democrática, não tem policiamento algum, e aceita qualquer barbaridade nela inserida: adiante, um Aviso aos Navegantes, a respeito. Nela e na TV, sob a confusão, a impunidade campeia e, realimentada, chega à Vaca de Presépio... E o Ensino sofre. Não esqueçamos, Brasília vai a Cinquentona, em breve.

No mar de impropriedades por nós vividas, avulta(va) a Televisão comercial brasileira. Agora, temos essa Rede mundial de deturpações de toda espécie, não só lingüísticas. Empáfia: a Televisão a denominaRede mundial de computadores... não aprofundando coisa alguma. Empáfia. Seu conteúdo é extremamente sofrível: Essa de Queiroz...

Mas a coisa já vinha da Lei: nas Cartas anteriores, a Capital nossa errada por 98 anos, desde o Decreto da Constituição Provisória, de 1890, como sendo o Distrito Federal – uma região, não uma cidade. Parece, copiando das anteriores. Até à Emenda de 1969, o erro gerou estudos sérios, comprobatórios de tal condição, ou da necessidade de uma base territorial, Art. 2º - O Distrito Federal é a capital da União. É o Pecado Capital. É a mistura. A correção somente viria em 1988: Brasília é a Capital federal.

Tudo isso, aqui bem registrado e analisado,mata-se a cobra, mostra-se o pau... O Distrito Federal (não) era a capital da União. Foi o Rio de Janeiro, depois Brasília, qualquer Criança sabe disso...

Nem a exegese do sonho de Dom Bosco escapou ao demônio da Confusão, até em um livro didático, distribuído a 45 mil crianças da rede pública de Ensino, alías criticado pelo Correio com z. Sugerimos uma Lei da Professorinha.

A Coisa, o Demônio da Confusão, o único existente segundo Lógico-matemáticos, de tão multifacetado tem 54 nomes de A a Z nas Enciclopédias em Português − exceto em K, W, e Y (a maior palavra do Alfabeto), talvez por banidas (!) essas três letras, de nosso Idioma... − e levou à comemoração do novo Século, como tantos anteriores, e do Milênio, duas vezes, por força de um comercialismo atroz.

Segundo Wiener da Cybernetics ─ também confundida (não só) no âmbito mais popular ─,

O demônio contra o qual o Cientista luta é o demônio da confusão. Aqui (já o dissemos?) será ele definido, enquadrado, dissecado, e exorcizado por uma Analítica Diferencial de alta precisão cirúrgica.

Dentre os vários fatores da Confusão, a ignorância, ou falta de memória, de Cultura, o Ensino é falho. Na publicidade, todas as auto escolas estão erradas, exceto uma. Nas ruas, há TELE ENTREGAs e RÁDIO-TÁXIs errados, e variações, ensinando. Há TELE INFORMATICA e TELE PIZZA. Ainda, MEGA PROMOÇÃO. Ao fim, falta de Ciência... e de AUTOESCOLAs corretas. Há Bolsa Escola e OI BRASIL. Há mega evento e mega oportunidade, em anúncios de TV, e 8.370 auto falantes, na Rede: é muito vat de potência... ensinando errado. E há Siga Bem Caminhoneiro. Há cera de auto brilho, e auto contraste na Justiça Federal. Na falta de Ciência, o achismo impera. Daí, o PRE FÁCIO.

O Banco do Brasil oferece multi... vantagens. Errada, a TELE CENTRO OESTE, pelo nome nunca se sabe se atende à Região Centro, à Oeste, ou à composta CENTRO-OESTE. Pelo menos, esse problema parece resolvido, a paroxítona espanhola Telefonica no Brasil – sem chapeuzinho por motivos estranhos, em detrimento do Aluno tupiniquim – comprou várias teles, e pos o nome de Vivo... Se o circunflexo do pôs era diferencial, em existindo a homógrafa pós com o acentuado e aberto (plural de ), deve ser abolido tal circunflexo... Pois Lei é Lei, a de 1971.

Na Rede, surgem críticas à falta do chapéu da Telefonica, até em programa da TV, também à perda do assento pela PETROBRÁS. Do avião da novela zá-za, ninguém reclamou.

Perda Nacional de Lógica In claris, non fit interpretatio. (brocardo latino)

No livro da FTD, antiga e respeitável editora nacional, distribuído a 45 mil crianças da rede pública de ensino no ano de edição, já criticado no Correio com z, como será visto em Começa (?) o Pecado Capital, aliás começado bem antes, em 1890:

v ... uma lei de 1964 estabeleceu a divisão do Distrito Federal em Regiões Administrativas, que seriam encarregadas de administrar e coordenar ... Qual Lei? A encarregada é a Região, ou sua Administração? Houve outras Leis? Essa, de 1964, é a única e definitiva? Assim, o ensinamento está incompleto, falso.

v Brasília compreende a maior parte do Plano Piloto e toda a área onde se localiza o Lago do Paranoá.

v No ano de 1987, o Plano Piloto foi tombado como “Patrimônio Cultural” da Humanidade pela ONU e posteriormente toda a cidade de Brasília. Dada a sua complexidade, a análise está em Um Grande Tombo.

v Por volta de 1883, São João Bosco, em famoso sonho-visão, vê a transferência da capital para a região Centro-Oeste, etc. Foi por volta de 1883? Já era São, ou apenas Dom? No sonho, viu a Capital, precisamente ?

v Entre os paralelos 15º e 20º havia uma depressão ..., partindo de um ponto onde se formava um lugar.

v Para homenagear ..., a primeira construção em alvenaria feita no Plano Piloto foi a Ermida Dom Bosco...

v A Ermida está localizada na Península Sul e fica em frente ao Palácio da Alvorada.

Se juntarmos a 2ª e a 3ª sentenças, resulta um bolo dos diabos... Assim, com as duas últimas: afinal, a Ermida está no Plano Piloto ou na Península Sul? Aliás, um dos sites chama o sonho-visão de D. Bosco de visão soft. Que diabo é isso? Há visão hard? Entretanto, Ermida na Península Sul, nem por milagre do Santo... E Península Sul em frente ao Palácio da Alvorada, só por distorção óptica. Ou será ótica?

A famosa pergunta da última entrevista de Lucio Costa sem acento a qual, na Internet, deixa um rastro de ensinamentos falhos, inúteis e nocivos porquanto não espelha a verdade:

v Brasília foi projetada no início da década de 60 para chegar ao ano 2000 com 500 mil habitantes. Hoje, já são quase 2 milhões. Como o senhor vê esse inchaço populacional? Vista assim, sem aprofundamento por muitos incautos, é considerada verdade e será disseminada por todos os Meios. É claramente a mistura da Cidade com o Estado-município. Será analisada em Que sejas poesia, Brasília!, adiante. Brasília foi projetada no início da década de 60 ? São 2 milhões? O IBGE, como diz? E o Memorial JK?

Algumas misturas mais, há origem até em Órgãos de Governo:

v É a única unidade da federação que não é estado e não possui municípios.É território autônomo, dividido em regiões administrativas - as cidades-satélites -, que dependem economicamente de Brasília. Contém cinco impropriedades. O achismo campeia. Adiante, afirma: A capital federal é totalmente dependente da União. Assim, o DF, sediando a Capital, dependente, é território autônomo?

v O Distrito Federal compreende o Plano Piloto de Brasília e Regiões Administrativas como Planaltina - Brazlândia - Núcleo Bandeirante - Taguatinga - Gama - Sobradinho - Guará - Ceilândia - Vila Paranoá - Vila Planalto e Cruzeiro. Cinco erros. Esse como está deturpado. Eis dois exemplos de como se deturpa a História:.

v Atualmente o Distrito Federal encontra-se plenamente consolidado, tendo deixado de ser meramente uma cidade administrativa e... Enorme distorção, do tamanho do Município único... O DF jamais foi uma cidade.

v Taguatinga é a cidade-satélite mais antiga criada como tal, implantada em 5 de junho de 1958 – logo, a cidade-satélite teria existido antes de ser criado o DF, em 21.abril.1960, na transferência da Capital... Como fica Planaltina, a RA de 1859 da tabela anterior, em pleno Segundo Reinado? Com tais ensinamentos, aprendeBrasil... Vez por outra, encontramos Taguatinga e Planaltina do DF como Municípios do Distrito Federal... E Valparaíso.

Isso tudo, quando a mídia não impossibilita a própria Lógica Matemática. Em recente noticiário:

v O número de barracos no DF, segundo o IBGE (outubro/2004) caiu 200%. Não cremos tenha o Instituto exarado tal impropriedade. Quando algo reduz-se de 100%, termina. Nada pode ser reduzido de mais de cem por cento – exceto na TV, onde Brasília tem 2 milhões, os morcegos têm radar (62 vezes na Rede), e Brasília é o DF.

Há erros sutis (!) até em enciclopédias, cuja função precípua é o Conhecimento. Tornam-se históricos na memória nacional. Impossível reunir em um só alentado compêndio todas as formas da Confusão. Naturalmente, a realimentação torna internacional o erro: a encyclopedia.com erra no tema Brasília. O mini Dicionário escolar Aurélio confunde o DF com Brasília.

Irrita a confusão constantemente repetida nos meios, entre o DF de 5822,1 km² (segundo o IBGE) e pouco mais de 2 milhões de habitantes (censo de 2000) –, e a Capital do País, uma cidade para 500 mil, conforme a Lei, com área de 721,59 km², se somadas as três Regiões suas formadoras, e 251 mil habitantes, em 2000. O cálculo está no Oásis de Verdades, no Tomo II. Brasília jamais chegou a 500 mil.

Outros canais de TV acompanharam a impropriedade dos telefones, disseminando o erro impunemente, como explicado será em a Vaca de Presépio. Na confusão, a impunidade na geração de caracteres públicos campeia.

Tal confusão é grande, das maiores já vistas na literatura nacional: Brasília é a 6ª mais populosa cidade brasileira (!), em um portal. Só se tiver os incríveis 2 milhões de habitantes... do DF todo, em pandemia.

Até Órgãos do GDF erram na questão do Município único do DF. Em documento obtido na Rede:

v Bairro: Vale do Amanhecer. Município:Planaltina-DF CEP: 73370-000. Em Ato federal analisado:

v ... no município de Planaltina, DF. Há proibição constitucional de subdividir o DF, o Estado-município atípico, em outros Municípios. Nele, só existe o Município de Brasília, esse constante de placas de alguns automóveis. Pergunta de prova: Marque o nome do Prefeito de Planaltina, DF... O endereço do INSS, na satélite de Planaltina, DF:

v APS: Quadra 01 Bloco H Terreo, MUNICÍPIO de Planaltina do DF? Um Órgão federal errando o próprio endereço! Pois, se há Valparaíso, DF! As desigualanças hão de ser respeitadas, se não... Alguns confundem as duas formas, se não e senão. Em um site do próprio Governo:

v Taguatinga é um dos municípios brasileiros que mais cresceram na última década. É considerada a capital econômica do Distrito Federal, com indústria moderna ... De um Órgão de Turismo, de Governo!

Þ Ora, o Município de Taguatinga do DF não é dos que mais cresceram, simplesmente porque nunca existiu... Poderá existir, se for criado o Estado do Planalto Central, cuja capital será a cidade de Taguatinga, no futuro Município homônimo. O achismo campeia. Eis a proibição constitucional, também contendo o estatuto da essência dupla do DF:

Art. 32 O Distrito Federal, vedada sua divisão em Municípios, reger-se-á por lei orgânica... e no

§ 1º Ao Distrito Federal são atribuídas competências legislativas reservadas aos Estados e Municípios. Logo, é um Estado-município, indivisível.

Outro ensinamento do tipo parece, mas não é, como tantos a serem repetidos e criticados:

v Regiões Administrativas - O Distrito Federal constitui uma unidade atípica na federação. Não é um estado nem possui municípios. Consiste em um território autônomo, dividido em regiões administrativas. Exceto Brasília, capital federal e sede do governo do Distrito Federal, as demais regiões administrativas são conhecidas como cidades-satélites. Há nele cinco erros, análise detalhada em Geografia do DF.

Que sejas poesia, Brasília! Estado ou Município?

Ninguém aprofunda coisa alguma,aliásinverso de alguma coisa. DF não é Brasília. A respeito, a Rede contém muita explicação na linha do achismo, e isso não ensina, é anticientífico. A pergunta deveria ser Estado e Município? Pois o DF é um Estado atípico, todos concordam – embora não expliquem o porquê. E Brasília também é o nome do único Município desse Estado-município, o DF, será demonstrado –, aliás, como o CONTRAN põe nas placas de alguns (!) carros aqui licenciados: DF – BRASÍLIA; em outros, BRASÍLIA – DF... por que?

Tudo isso o Grupo explica, inclusive (!) esse alguns e o Corretor do computador, eivado de absurdos. O Governo quer um micro em cada sala de aula.... São problemas do Ensino, a serem esmiuçados.

São as firulas, ou detalhes, a base do bom funcionamento dos Sistemas: a fora não é afora; nem Rui é Ruy. O Benedito ainda é... e a atriz mirim Marina Ruy Barbosa. O higienista Osvaldo Cruz perde o w por 678 vezes,na Rede,até na menção ao bairro carioca, homenagem ao grande Cientista pátrio, e na própria fiocruz. Enquanto Orico imortal o ganha, até em sua Academia... É dose muito alta de incoerência.

Ruy-sem-y está em sua casaruibarbosa.gov, da Fundação Rui Barbosa, em Senado.gov – e na justa reclamação da família, sobre a adulteração do nome próprio e histórico. No entanto, lá milita o Kury, com duas das banidas... Alta dose de incoerência, no País delas mesmas...

No correr do estudo, veremos erros variados de colégios, até de Universidades. De açacinaram (a Língua), assacinou, açassino, há todo uma série de variações, 102 na Rede. Tudo, mui didático... Assim sendo, dizemos: Foice a Língua, a História, a Matemática, a Lógica, a Geografia, a Eletrônica e a Biologia (o radar dos morcegos...), e mais facetas do Conhecimento pátrio, sob inúmeras impropriedades.

No tocante à Capital, a confusão é plena. Há títulos como Dados gerais sobre a cidadede Brasília, mas logo enveredam pelos dados sobre o DF todo, é a mistura. Exemplo típico de confusão capital, simplificado, de nove erros, no sítio Conheça Brasília, aqui assinalados alguns senões, em rubro: Dados gerais sobre a cidade de Brasília (grifo nosso)

Localização: Região Centro-Oeste, entre os paralelos 15 e 16

Área: 5.783 Km²

Habitantes: Brasilienses

Altitude média: 1.100 mPopulação: 1.923.946 de habitantes por Km² (estimativa IBGE 1998).

Divisão Administrativa: 19 regiões: Brasília, Ceilândia, Taguatinga, Guará, Cruzeiro, Gama, Núcleo Bandeirante, Paranoá, Planaltina, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Sobradinho, Recanto das Emas, Lago Sul, Riacho Fundo, Lago Norte, Candangolândia, Brazilândia.

Crítica:

Þ Não é a Cidade de Brasília, entre os paralelos 15º e 16º. É o Distrito Federal todo entre 15º30 e 16º03 de latitude sul. A latitude 15º S é em Goiás, 30 minutos ao norte do limite norte do DF.

Þ Não é a área de Brasília a indicada, mas a do DF todo. Seria a estupidamente maior cidade do Mundo. Em recente reportagem sobre o mapeamento aéreo da cidade de São Paulo, sua área é declarada em 1.500 km². Brasília poderia ter 5.800?

Þ A área de Brasília Capital é de 721,59km², somadas as três Regiões suas formadoras.

Þ Não é a população de Brasília a indicada, mas a do DF todo.

Þ Aliás, outra incorreção: 1 milhão e tal de habitantes por Km², em 1998.

Þ Será essa a densidade populacional? Erro de datilografia? A cidade de São Paulo tem 7 mil habitantes por quilômetro quadrado, segundo o fantastico.globo.com, com base no IBGE. Nova Iorque tem 8.465 pessoas por km², com todos aqueles altos edifícios... A densidade populacional de Brasília-capital estava em

torno de 348 habitantes por km² em 2000. Com 1 milhão de habitantes por km², não haveria nem oxigênio para respirar.

Þ Está a unidade Km com inicial maiúscula, quando apenas aquelas unidades em homenagem aos estudiosos importantes são assim grafadas: V de Volta, A de Ampère, T de Tesla, G de Gauss, e... W de Vát (!). Aliás, como seria grafado, em Português, esse vát? Só temos, por enquanto, o poeta, o Vate e o tonel em Inglês. Ninguém diz George V. Bush, nem Vár, o jogo estratégico. Nem Vind, para o automóvel. Nem bebe vísqui.

Þ Não é Brazilândia a última Região Administrativa, esta não existe. Mistura total. Nesse grau de confusão, a maioria das explicações candangas. .

Þ Não é composta por 19 Regiões a Cidade de Brasília, evidente no título do sítio, aliás a lista começando pela RA de Brasília... Misturam a Cidade com o DF e a Região Administrativa, e ela com ela mesma. Aliás, dois pontos em dobro, na mesma sentença.

Aliás, misturam a Cidade com o DF e a Região Administrativa, e ela com ela mesma. Análise detalhada em vários pontos deste ensaio. Ver Geografia do DF. Erros também em brasiliatur.com.br/historia.

A Rede também informa distâncias entre Regiões Administrativas propínquas, limítrofes, demonstrando grande confusão entre a RA e a Cidade sua sede. A Lei nº 4.545/1964 não confundia, no Art. 9º,

§ 3º: O Administrador Regional deverá residir obrigatòriamente, na sede de sua Região, desde que lhe sejam proporcionadas condições para êste fim. A Sede é a Cidade-satélite da RA, termo introduzido pela primeira Lei Orgânica do DF, em 13 de abril de 1960.

Há dúvidas, curiosidades e absurdos, nesse plano conceitual de Brasília e DF:

v O DF, como um todo, foi planejado para ter aproximadamente 500 mil habitantes até o ano 2000. Entretanto, em menos de 40 anos de sua criação, esse número chega a casa dos 2 milhões. Nesta sentença, há 2 erros: de planejamento e de crase. Mas, dizem, há crases facultativas...

Ainda, idéia muito comum, obtida em um livro de equívocos sobre Brasília, o qual também se equivoca:

v Um erro comum diz respeito ao fato de o Lago Sul ser considerado bairro, quando é um setor e nem está na Capital. Ora, se fosse um Setor, seria de Brasília, poderá ser considerado um bairro da Capital.

Os dois Setores residenciais do Lago Sul (SHIS, SMDB e alguns quase-setores de Chácaras da QI-5 e outras), se não são da Capital, de onde seriam? De outro lado, Brasília não tem somente Setores: o HCGS, p. ex., na W3 Sul, e os CLS e CLN – muitos chamam-nos de Setores, por erro, vejam-se os anúncios em Catálogos Telefônicos da Capital. Há um estranho SCLRN misturado a SCRLN.

Faça-se a luz... sob a Hermenêutica, a evitar dúvidas e distorções nas explicações públicas afetando até a Didática Nacional, não é demais repetir a verdade legal sobre Brasília.

O Pecado Capital muito observado nos mal-ditos de toda des-ordem no tema Brasília e DF, por sua vastidão e incoerência, afetando o Ensino, provocou a análise infinitesimal do erro, seu punctum saliens. Logo, em redundância:

Þ A Lei nº 1803, de 5/1/1953, de estudos definitivos sobre a localização da nova Capital : Art. 1º É o Poder Executivo autorizado a ... na região do Planalto Central, ... para a escolha do sítio da nova Capital Federal,

§ 2º Os estudos serão feitos na base de uma cidade para 500.000 habitantes.

Art.2º Em torno desse sítio será demarcada, ... uma área aproximada de 5.000 km², necessários à constituição do Distrito Federal.

Þ Note-se a ordem de prioridades: primeiro, a escolha do sítio da nova Capital; depois, será uma cidade para 500.000 habitantes; finalmente, em torno desse sítio, será demarcada a área do Distrito Federal. A Lei não confundia, pelo visto, a Cidade com o Estado-município futuro, a confusão havida em 1890. A confusão candanga virá depois, pelos intérpretes... Ademais, estabelecer ou transferir, ou situar, não é ser a Capital.

Þ A Lei nº 2874/1956, Art. 2º, parágrafo. único: O Congresso Nacional deliberará, oportunamente, sobre a data da mudança da Capital e, no Art. 33: É dado o nome de “Brasília” à nova Capital Federal. Nem assim notou-se o erro constitucional, ainda pairando acima na Magda, de 1946, somente corrigido na Carta de 1988, no § 1º do Artigo 18:

Brasília é a Capital Federal. Fiat lux, ex lege, Dei gratia, diriam os Romanos aliviados, os Poetas, e todos os Lógico-matemáticos recentes ou não, e outras gentes com nível mais elevado de raciocínio.

Þ Finalmente, a Lei nº 3273/1957, Art. 1º Em cumprimento ao Art. 4º, § 3º do ADCT (1946) será transferida, no dia 21 de abril de 1960, a Capital da União para o novo Distrito Federal, já delimitado... etc.

É de notar, o novo DF estava delimitado, não existia, ainda. Pois a primeira lei orgânica do novo DF, a Lei federal nº 3751 de 13 de abril de 1960, em seu Art. 1º, Determina a organização administrativa do Distrito Federal, a partir da mudança da Capital para Brasília, nitidamente um Município. Até então, a qual território pertencia a obra da Cidade de Brasília, a Capital a ser inaugurada? Questão de prova...

Depois, ser transferida a Capital para o novo DF não implica este ser a Capital... Esta é a cidade, então inaugurada.

Em Brasília em números, no Tomo II, um formidável elenco de impropriedades obtidas na Rede, como esta do ibge.gov.br, em Cidades@, de mistura com o Distrito Federal:

v Brasília – DF População estimada – 2004 2.282.049 Área da unidade territorial (km²) 5.802. Esses dados são referentes ao DF como um todo... O próprio IBGE se desdiz: 5.822,1 km². Aliás, misturam a Cidade com o DF e a Região Administrativa, e ela com ela mesma, será demonstrado.

O Correio Braziliense de 19 de maio de 2003, na primeira página:

v Brasília dobrou população em 10 anos. Na pág. 11 se desdiz: O Distrito Federal dobrou...

A verdadeira população de Brasília e sua área estão em ATIPICIDADES DO DISTRITO FEDERAL. Outra mistura, em aprendebrasil.com.br:

v BRASÍLIA DF, (5.802 km2). Pop. total (2.051.146 hab.); pop. urbana (1.961.499 hab.); pop. rural (89.647 hab.). Microrregião Brasília. Capital do Brasil. Quase acertaram. Parênteses mal empregados.

Já na Bahia, o site do Município de Ruy Barbosa com y mostra como aí não há confusão entre a cidade e a região: População: Censo 2000: 29.026 habitantes sendo 17.765 na Sede do Município. Entretanto, no DF-TV, o quadro da previsão meteorológica desdobra a noção de seu título, ao dar as temperaturas:

v Brasília: Plano Piloto 21º, Taguatinga 22º, Sobradinho 20º, Guará 22º, etc, como se Brasília fosse composta dessas cidades ou Regiões. Nem se pode dizer o termo Brasília aludindo ao Município todo, pois Plano Piloto é nebulosa, não é cidade nem RA. O problema: afetivamente, os termos Brasília e cidade indicariam todo o DF... O candidato à eleição: Brasília tem um dos maiores orçamentos de todos os Estados.

É surpreendente, preocupante, ofensiva e inconcebível a soma de erros didaticamente postos nos Catálogos Telefônicos da Capital da Nação, de vinte espécies: se incluída análise infinitesimal comparativa, resultaria outra Enciclopédia, se relatados, criticados, e sugeridas as verdades. Catálogos omitem o Gama e a nova Ponte JK.

Ao fim, erram no Espaço Lucio Costa, homenagem ao Arquiteto internacional, de cujo risco nasceu Brasília. A toda hora, Brasília “tem” 5.800 km², e 2 milhões de almas. No jornal falado de 2ª feira, 17 de janeiro, à meia-noite e meia – logo, era terça, à 00h30... – a bela Repórter, em mais uma confusão capital:

v Brasília já tem mais telefones celulares do que habitantes: 2 milhões e trezentos mil... Só se for em todo o Município de Brasília, único nesse atípico Estado do Centro-Oeste, o DF. Na cidade Capital, jamais. Quando deixaremos de ouvir tais impropriedades? O site da Secretaria de Saúde do DF por vezes acerta no tema, porém escreve:

v Toda Região Administrativa do Paranoá – omitindo saudável artigo definido.

Conclusão, uma visão dantesca – é nosso direito, em face de todos os mal-ditos descobertos e já registrados, estabelecer uma opinião, verdadeiro axioma estarrecedor:

A ninguém será dado compilar todos os erros sobre Brasília e DF, sejam federais, estaduais, municipais, bairristas, geográficos, históricos, hídricos, legais ou não, erros privados, diretos e/ou indiretos, publicitários, turísticos, semânticos, do trânsito, até de Universidades – ajuntando-se tudo dos Catálogos da Capital e outras fontes didáticas – mais a crítica necessária à comprovação das falhas, e seu concerto. Resultaria em e-norme biblioteca, não apenas num alentado volume. Organizar tal profusão de erros, por seus temas ou natureza, em clara apologética, parece-nos impossível. Ademais, a produção é semanal.

Tudoserá analisado, a seu tempo. Em tudo, a Lógica Jurídica. Em muitos casos, ver-se-á como é extremamente difícil atingir o Logaritmo binário da Incerteza, = 1 bit. Já se nota, o caos começa no trânsito das informações legais, até chegar ao Trânsito dos veículos rodantes... Veremos a Ponte Entrópica e a Ponte Heráclita.

Nem o verso de Bilac – ou o de Quintana – mal transcrito na Rede, escapa ao demônio da Confusão, o único existente, segundo certos Lógico-matemáticos. Mas, nessa situação caótica, há o santo remédio, de base logarítmica, bem ao gosto do Vate de Alegrete, ao dizer: A Matemática, a Ciência sem dor... Um Poeta! Pois,

Informação, Logaritmo binário da Incerteza...

Grupo de analítica infinitesimal, voltado a encontrar e criticar toda impropriedade de toda a mídia. Ver Toda a...

Euetu Nós

Clique aqui para ler este artigo na Artigonal.Com